Eu preciso de uma namorada tão ruim

Eu me acho muito brigona,chata essas coisas ..... Eu queria ser uma namorada compreensiva, mais legal , suave ..... Eu quero mudar... Tem horas que eu consigo ser de Boa, mas tem horas que só Deus na causa (meu namorado falar até que é alguma coisa ruim , porq agnt ta bm e briga , tem hora que tudo me estressa e tal)... Como Sair de um Relacionamento Ruim. Um relacionamento ruim pode parecer um pesadelo sem fim. Reconhecer os sinais que indicam um relacionamento ruim pode ajudá-lo a formular um plano para se livrar dessa situação. Confie em seus amigos e... Preciso de uma namorada. O que eu faço? Responder Salvar. 7 Respostas. Classificação. LinOka* s2. ... talves voce esteja a passar por uma prova do Senhor Jesus e aguente-se pois Deus não nos deixa padecer neste mundo tão só, por isso concedeu a Adão uma Eva!!! ... É muito ruim ter pais separados? Qual delas é a mais bonita? Tire meu fôlego é um romance online Romance escrito por Bai Cha, o Lera fornece um e-book gratuito de Tire meu fôlego para leitura online. Capítulo 185 É melhor eu arrumar uma namorada Eu aqui de novo, tinha pensado que eu passei essa fase mais to ainda nela. Tenho uma vida sexual tão ativa que é mais ativa que a minha própria cont bancária. Confesso que eu gosto disso. Mas ta sendo muito difícil eu fazer qualquer tipo de relacionamento afetiva e não por falta de interesse mas por falta de conexão. É isso. Eu realmente preciso da sua ajuda. Eu sou um menino de 22 anos em uma profunda depressão. Eu tenho uma vida sem raízes com pouca paixão e pensamentos suicidas. Na verdade, não consigo me concentrar muito em nada, especialmente quando se trata de meus estudos. Sempre que comecei a estudar, as imagens ruins da minha vida começam a vir na ... Eu sofro da mesma maldição, e cheguei a conclusão que esse sentimento de 'eu preciso ter uma namorada' é o que estragou a maioria das minhas relações. Isso é muita pressão pra se botar em alguma pessoa que entra na tua vida, e estou aprendendo na marra (sofrendo literalmente no momento) a não criar expectativas em cima de ninguém ...

estou travando uma batalha interna cmg mesmo,

2020.09.15 03:47 Initial_Name85703 estou travando uma batalha interna cmg mesmo,

hi, tenho 17 anos e sinceramente eu não tenho mais forças pra continuar desse jeito.
meu teclado está horrivel mas tá ficando entalado e ...
desde cedo eu sempre fui uma criança muito tímida e em mais sensivel que as outras crianças, nunca fui de ter muitos amigos e eu realmente invejava todos que tinham muitos amigos, até amigos próximos q tinham muitos amigos antes de completar 14 anos minha mãe descobriu um cancer de mama, e pra ser bem sincero a vida vai desgastando com todo mundo, eu hj estou sem forças pra ajudar mimnha mãe, sou muito,muito apegado a ela mas eu senti muita saudade do que eu não vivi na minnha infancia, vontade de jogar bola. ter muitos amigos, sair pra beber cokm meus outros amigos adolescentes e com 15 anos eu arranje uma namorada que foi e [é bastante apoiada pelos meus pais (meu pai teve uma familia antes de nós e o filho mais velho dele é gay, isso sempre fragilizou o meu pai, apesar dele amar bastante ele) então era bastante incrivel, perdi minha virgindade com ela e vie e versa, mas na virada do ano de 2019 eu descobri q ela tinha me traido com outra pessoa, no desespero pra não ficar sozinho e voltar a ser eu mesmo, eu perdoiei, passando uns meses eu descobri outra, e outra, e outra que eu confirmei só recentemente, já trai ela, dps q eu descobri isso mas isso relamente não é pra mim,k enfim.
ela passava ferias inteiras cmg em casa e pela saude debilitada da minnha mãe ela sempre cuidou dela, bem mais que de mmim, no inicio de 2020 na virada do ano ela simplismente surtou e me fez passar um mico na frente dos meus familiares e eu passei por isso.
enfim, no inicio da quarentenaq ela veio passsar a quarentena cmg e foi muio bom, mas começou a ficar insuportavel a pessoa dela cmg, em uma noite nós estavamos conversando a luz das elestreas e ela perguntou sobre "se eu tinha vontade de fazer sexo a 3" disse que tinha curiosidade e tal mas foi isso,então ela passou semanas tentando convencer alguem a fazer isso conosco( ela é assumidamente bi) nunca liguei anto apesar da curiosidade, enfim cheou o dia 11 de julho era aniversario do meu avô em outra cidade e no´s fomos, chegando lá eu comecei a beber com os meus amigos e princicpalemnte o meu irmão, mas em um momento minha prima me chamou pra passsar batom nela pra nós irmos sozinhs pro quarto.
bom nesse ponto eu preciso voltar alguns anos pra contextualizar, eu namorava uma garota e ela era de outra cidade meu pai trabalhava fora então ele traza ela sempre q pode, não era um namoro assumido e era bem estranho mas nós estavams, mas minha namorada era muito próxima da minha prima, muito mesmo então eventualmente eu descobri q elas estavam ficando :)
ela namorava o primo da minha namorada ( game of thrones ) e um dia ela sumiu, e eu descobri q ela tinha traido o meu primo com outro cara, então eu me fiquei muito ruim, contei pro meu melhor amigo na epóca e ele espalhou a conversa, mas o namorado dela nunca soube
voltando, enquanto caminhava eu olhei pra tras e vi minha namorada vindo atrás de nós, soube, eu já imaginava oq ela queria, entrei no quarto e minha prma ficou de olhos fechados sentada eu olhei pra trás e ela estava no quarto me encarando quase me pedindo, então eu dei um beijo na minha prima, ela olhou pra minha namorada e elas comecaram a se agarrar na minha frente, minha namorada não disse nada mas minha prima dizia coisas como "tua boca e tão macia" "voces parecem sex education"e ela esfregava minha namorada então minha namorada diz "enfia.."eu exitei por um momento e ea pediu denovo e eu fiz, minha prima pediu pra parar e nós paramos, nos despedimos dali mas eu fui atras dela pra pedir desculpas e ela me ignorou e minha namorava pouco se importava, ela ficou com nó por um tempo e depois foi embora, no outro dia e fui na casa dela fazer outras cosas e eu aproveitei pra conversar melhor e ela disse q era melhor nós deixarmos esse assunto pra lá, viemos embora e na segunda feira eu encontro no twter dela ela dizendo q tinha sido estuprada por nós ,conou q tinha sido a força,etc...
poucos minutos dps minha mãe já sabia e enfim apartir dali meu mundo mudou, eu queria me defenderm mas eu não podia de jeito nenhum, ninguem me escutava, mnha mãe ligou pra cpnversar com ela pra saber de todo ocorrido mas eu não tava em casa tinha saido pra jogar volei, e o dia se passou, no outro dia meu pai levou minha namorada embora e eu fiquei só, minha mãe conversou com a minha prima por ligação e wwp,e no whatsapp ela escreveu" tia eu só fiz isso pq na epóca da #### eu estava me envolvendo com uma pessoa e ele simplismente contou pra todo mundo então eu queria q elesenisse como eu me senti" no tiwtter pouco tempo dps ela já estava debochado da situação "nâo vou denunciar #### mas eu vou destruir a vida social dele igual ele fez cmg :)" na verdade eram bem mas emojis de shitpost, e pra qualquer pessoa q se interessase ela contava a historia de debochava da situação, pouto tempo dps ela percebeu q tava falando algumas coisas dms e ela excluiu as postagens mas já havia se passado alguns dias e eu já tinha printado muitas coisas,minha famiia se duvidiu mas n durou muito lgo todo mundo estava do lado dela e com razão, não sou mais do tipo de ser merecedor de pena, ela disse q não queria mais falar do assunto e etc... passado um mes desde q eu tinha sido'CANCELADO" ela contou pra uma pessoa muito importante pra mim e eu publiquei o maximo q eu pud no meu tt tentando me defender, mas a essa altura eu já falava com umas 3 pessoas, ele ficaram irritados pq eu ainda falava daquele assunto e desde então tem sido ainda mais dificil sem eles, a mãe dela é umapessoa muito extrovertida com o resto da familia do tio q paga grades e grades de cerveja, enquanto nós somos bem mais reservados então naturalmente ele ficaram do lado dela,por causa do tratamento e traumas passados mamae tem depressão e por causa de tudo issso a depressão dela agravou e e la tentou e matar, mas nós somos mais reservados, soubemos puco tempo dps q ela tbm tinha tentado de se matar mas esssa n foi a °1 vez q ela tentou ela já disse no tt q já havia tentado se matar 60 vezes, e eu sei oq é querer morrer, desistir de tudo, se eu tentar me matar vai ser só a 1° tentativa e só mas ninguem se importaria ninguem quer ewscutar a minha versão e eu fico muito triste pq ninguem, ninguem sente falta de mm, me deixa arrasado pq quqando eu conto parece q isso é culpa da minha namorada mas eu sinto tanta falta dela, me deixca triste pq não é a 1° vez q ela difama alguem aleatoriamente, ela diz que odeia o cunhado dela por ser toxico,mas, toxico pq? não tem explicação o cara não sai nem do meo do mato, me sinto trise pq eu acho q tenho depressão mas eu acho tbm q seria desulmilde da minha parte achar isso assim, tbm repudio completamente assedio abuso estupro, tudo, tusdo issso e jogam um fardo desses ma minha costa, eu sinceramente não me matei pq é a minha mãe quem precisa de mim, eu simplismente odeio odeio odeio ela, e sinto muito se ela tiver depresssão mas eu não me importo mais , ela fez tudo isso e esperou o momento pra acabr cmg e ela conseguiu e ninguem vai querer simplismente abraçar minha causa, tbmme sinto horrivel pq parece que eu s´penso em im, mas toda vez q eu lembro disso me dá um peso mo meu peito. desculpa mãe mas eu não fiz isso.
submitted by Initial_Name85703 to desabafos [link] [comments]


2020.09.11 02:22 Gustavo172lag Eu tenho muito medo de ser triste no futuro

Eu tenho uma casa boa, família boa, nunca faltou nada em casa (até sobrou na verdade), a pandemia não afetou em nada a renda da nossa família e isso é motivo pra ficar louco de tão feliz kkkkk Sou um cara de 41 anos ao contrário, boas notas, bastante inteligente, minha namorada diz que eu sou bonito, inglês quase fluente, ano que vem começo a fazer um curso de mandarim pra ver se consigo (me desejem sorte kkkkkkk). Enfim, depois de me apresentar, vejo muitos posts aq no sub de gente extremamente triste por não fazer oq gosta, tanto no trabalho ou na faculdade e isso atualmente é um dos maiores medos. Uma informação importante pra qm ler até o final é que sempre quis ser rico (mais especificamente gostaria de ter bilhoes de dólares mas isso eh impossível já que meu pai nem minha mãe são donos de empresas e parando pra pensar nem preciso de tanto). Durante a quarentena comecei a pensar sobre que carreira quero seguir, e desde então não consigo parar de pensar nisso por 1 segundo, já chorei de tão ruim que é pensar nisso e ter tanta incerteza Eu não faço ideia doq gosto ou doq quero fazer e tenho inveja de quem já sabe oq ama e qual carreira quer seguir, eu só sei que quero ganhar um bom dinheiro. Já pensei em Medicina, muito trabalho pra alguém q talvez n goste; Direito, mais chato doq qualquer coisa; Administração? Não sei, muita incerteza na área até onde sei; Programação? Deus me livre trabalhar 8 hrs por dia com a bunda em uma cadeira e com a cara em uma tela. Se alguém puder dar algum conselho, se esqueço esse sonho de ser rico e procuro alguma coisa que goste, se sigo em uma carreira que não gosto e ganho dinheiro, se procuro alguma coisa que goste e vá para algum outro país? (Olha aí outra complicação, não sei se queria emigrar, já que sentiria muitas saudades da minha família e tenho certeza que minha mãe não aguentaria) Enfim kkk se alguém leu até aqui meu muito obrigado, e se vc puder me ajudar vai ser muito muito obrigado kkkk
submitted by Gustavo172lag to desabafos [link] [comments]


2020.07.08 14:56 xDark0x Levei um fora da minha ex que ainda amo

Olá! Então, é minha primeira vez aqui escrevendo, e estou um pouco nervosa pois nunca fiz isso antes, tenho dificuldades em falar sobre o que sinto e tal, mas chegou à um ponto em que realmente preciso desabafar. Vou explicar tudo com datas pra ficar mais fácil. Ultimamente venho passado por uma série de eventos os quais me deixaram muito mal. Tenho uma ex namorada, a primeira e única com quem me comprometi até hoje (tenho 18 anos), em março de 2018 conheci ela através de uma amiga e desde então nos demos muito bem. Desde que a conheci já despertou um interesse e sentimento em mim. Tínhamos várias coisas em comum, gostos musicais, forma de ver o mundo e afins. Logo nos tornamos muito próximas, confiavamos tudo uma na outra e após uma jogada de charme aqui, umas coisinhas românticas ali (kkk) Consegui conquista-la. Isso em junho. Namoramos por 6 meses, muito felizes, mas devido uma interferência da família dela, que ficou sabendo de nós duas por intermédio de uma professora do colégio que conhece a mãe dela, (fdp fofoqueira) tivemos que nos separar. A mãe dela me contatou e com base em ameaças de contar à minha família, me fez confessar nosso relacionamento. Depois que o sangue esfriou e fiquei "mais calma", me senti muito mal, pois senti que à traí, me senti mal por acreditar na mãe dela (que considerando a pessoa que é não merece confiança) que disse não fazer nada com ela se eu falasse tudo. Paramos de nos falar, e como já era dezembro, estavamos de férias e não nos víamos (só tínhamos oportunidade de nos ver na escola). Só no ano seguinte, no primeiro dia de aula consegui contata-la e descobri da forma mais dolorosa possível que não sentia mais nada por mim e me odiava pelo que fiz. Me senti péssima, por ainda à amar e pela situação em si, que não saía da minha cabeça. Tivemos só essa conversa e depois nos distanciamos novamente (por escolha dela). Lá pra junho do ano passado, ela começou a dar sinais de querer voltar a falar comigo, depois de longas conversas sobre esse assunto, finalmente nos entendemos, mas não totalmente da forma como gostaria. Ela disse novamente não me amar mais. Foi doloroso, mesmo já tendo ouvido-a dizer antes. Ela estava passando por momentos terríveis com a família. Não é uma pessoa tão fácil de lidar (a criação ajudou um pouco nisso), então falar com ela naquela época foi bem complicado. Queria ajudá-la mas ela não permitia que eu o fizesse. Arduamente fui conquistando a confiança dela, até que desabafava comigo e eu tentava ajudar da forma como podia. Aos poucos ela foi melhorando e fomos resgatando a amizade e por ainda nutrir sentimentos românticos por ela, as vezes dava umas cantadinhas bobas, mas as vezes sérias também (Claro que não no momento que ela estava fragilizada, mas sim nos de descontração, para deixar bem claro). Em setembro nos aproximamos mais e finalmente consegui com que ela demonstrasse gostar de mim da mesma forma que eu dela. Pouco tempo depois a família novamente descobriu a gente, da mesma forma que da outra vez, mas dessa, eu estava de certa forma mais forte. Bom, consegui conversar com a mãe dela sem demonstrar medo pelo menos. Chegamos à conclusão de que realmente não dava pra ficarmos próximas na escola. e em meio à isso tudo, pedi ela em namoro pela segunda vez. Dessa, não mantinhamos o contato de antes, muito raramente ficávamos juntas, já que ela era de outra turma. mas passando o tempo começamos à relaxar um pouquinho e passar ainda mais tempo juntas, sempre que podíamos, porém com mais cautela. Dessa vez, durou 2 meses e meio, de outubro à metade de janeiro. Ela terminou comigo de novo, não por deixar de sentir, mas eu estava passando por questões pessoais (que até hoje estou lidando, e que me incomoda bastante falar). Como ela além de namorada era minha melhor amiga, falei com ela por mensagem sobre o assunto, e depois de conversar, de um dia inteiro completamente estranho e nós indiferentes, eu por me sentir mal por estar daquele jeito, ela acredito que por não estar acreditando e por lamentar a situação, no fim do dia ela terminou tudo. Foi terrível pra mim, confesso que fiquei com raiva de certa forma, pois queria ela do meu lado para enfrentar aquilo, eu estava apavorada sem saber o que se passava direito na minha cabeça. Mas no fundo, por trás de tanto sentimento ruim, entendia que era direito dela. Era total direito dela decidir onde ficar e até onde pode aguentar também, nunca foi uma relação fácil, e não posso exigir de alguém o que eu faria dentro da relação sendo que somos pessoas diferentes. Ainda mantinhamos contato, mas de forma meio estranha, até que ela começou a demorar muito para responder e por fim, sumir por dois meses. No aniversário dela em maio, fiz um pdf com várias mensagens e desenhos (felizmente sou boa com desenhos) e mandei para o email dela, isso sem muita pretenção, apenas como forma de carinho. Depois de 7 dias me respondeu pedindo desculpas por não ter visto já que não olhava o email (algo totalmente válido pois também não olho hehe) e dizendo que se eu quisesse voltar a manter contato que gostaria. Voltamos a nos falar por outra rede, diferente da que nos falávamos antes, e foi tudo muito bem, ainda demorava para responder, mas não posso cobrar já que deve ter as ocupações dela, assim como tenho as minhas. Embora sempre dê aquele desapontamento e dúvida sobre ser "importante" ou não kkk. E à partir de agora voltamos ao que está acontecendo atualmente. (Estou resumindo o máximo que posso pra não ficar maior do que já está.) Há umas três semanas, em uma conversa casual ela perguntou brincando se eu ainda sentia o mesmo por ela, e eu muito envergonhada disse que sim. No outro dia, acordo com um texto dela (ela gosta muito de escrever) falando sobre amor, sobre estar apaixonada por alguém que sempre atrai ela de volta e por isso quer manter em segredo. Automaticamente me animei e fiquei profundamente feliz, "ela ainda me ama!" Pensei. E dessa vez sem eu mesma ter que correr atrás. Escrevi algo respondendo à ela e mandei uma letra de música que gostava muito pra que ela ouvisse. Ela disse que escreveu aquilo aleatoriamente, mas sabe quando você vê que a verdade não é aquilo que a pessoa diz? Enfim. Foram assim as últimas três semanas, com textos românticos que se encaixam perfeitamente na nossa história, respostas minhas, e mais textos que também mandava pra ela. Ela sempre respondia dizendo que ficaram muito bonitas as coisas que escrevi, e era o mesmo que eu dizia para os dela, obviamente direcionados para uma pessoa, mas que por conta da primeira fala dela de querer "manter em segredo" eu não entrava em detalhes, embora estivesse crente de que eram para mim. Textinho vai textinho vem, perguntei se o que ela escrevia era para alguém (Isso já confiante de mim, mas queria que "confessasse") depois de enrolar um pouco para falar, acabou dizendo e era o nome de outra garota :) Fiquei sem entender nada, não sabia como reagir. Me senti uma idiota por ter imaginado que era pra mim e ao mesmo não entendia como aquilo encaixava tanto em nós e em outra situação. Não conheço a menina, mas aparentemente não à corresponde, enfim. Me senti tão mal, principalmente por ter pensado que as coisas eram pra mim e ter descoberto de uma forma tão brusca. Fui conversar com ela para tentar esclarecer tudo e foi até bem rude ao responder. Disse que não via mais futuro em nós e não queria mais a confusão que era "estar comigo". Isso aconteceu ontem, e até agora não sai da minha cabeça. Dormi pensando nisso da mesma forma que acordei hoje e foi a primeira coisa que veio à cabeça. Não é a primeira vez que acontece situações que me deixam assim, em relação à ela. As vezes parece que estamos em um looping infinito sabe? Pois sempre passamos pelos mesmos momentos, desde os complicados, aos de investidas minhas e a "volta do amor" dela, que é algo que me deixa com muitas dúvidas por dentro, pois poxa, que amor é esse que eu preciso ir atrás? E sinceramente, isso me deixa com tantos questionamentos e angústias, eu realmente à amo, e me sinto uma idiota por isso. Eu odeio me sentir dessa forma sabe? As vezes odeio ser dessa forma. Me sinto idiota por ser tão intensa em ralação aos sentimentos, principalmente numa época em que isso é pouco levado em conta por muita gente. Ocorre um misto de emoções, angústia, tristeza... Por tudo que já aconteceu e pelo que estou sentindo agora. Tenho dúvidas reais sobre nosso fututo, não sei o que pode acontecer conosco, se podemos ficar juntas, ou se realmente estamos fadadas à seguir caminhos diferentes; e isso é uma das coisas que mais me apavora, não saber o que irá acontecer, se esse sentimento por ela vale realmente a pena ou estou apenas perdendo tempo em minha vida, numa coisa que não terá fundamento. Me sinto afogada nesse misto de sensações, sentimentos de amor e tristeza que não sei como fazer passar.
Não sei se alguém vai ler até o final porque realmente ficou enorme kkk, mas de qualquer forma já vale o desabafo. Não tenho ninguém para falar sobre isso
submitted by xDark0x to desabafos [link] [comments]


2020.07.02 07:05 sakurakami Amizades são complicadas e eu cansei delas

Faz dois meses (ou três, não sei direito) que me afastei dos meus amigos virtuais, já os que conheço pessoalmente nunca fui muito de conversar a distância, sei lá, com esses só tem assunto quando em grupo. Não estou completamente longe das minhas amizades, de vez em quando falo e até jogo online com duas amigas bem próximas, as únicas que falei sobre este afastamento e os motivos, elas me disseram que fiz bem e até que deveria ter feito antes.
Bem, alguns desses "webamigos" conheço já a 4 anos, não tão recentemente senti que eles estavam se distanciando, antes me chamavam, agora nem lembram de mim; conversávamos por horas, agora não demonstram tanto interesse. Sempre recebo respostas como: "desculpa, estava fazendo tal coisa", "não recebi/não vi a mensagem", "estava dormindo/trabalhando/estudando". Eu sei que as pessoas têm suas ocupações, mas era praticamente sempre, até falei com dois deles sobre e tive as respostas: "não consigo conversar por muito tempo com uma pessoa só", "apenas respondo sempre a minha namorada", "escolho com quem eu converso e ignoro mesmo".
Não sabia se ficava triste ou brava, enfim. Também tive uma briga feia com um desses amigos (agora não somos mais, pra essa pessoa eu era muito dramática e só reclamava da vida), fiquei extremamente mal pelas coisas que li e pelos 4 dias sem sinal de vida que na verdade eram só para me evitar, e eu ainda fiquei preocupada achando que tinha acontecido alguma coisa. Pedi conselhos e ajuda dos outros, um ficou uns dias me chamando e falando bastante comigo, até eu falar que estava melhor, voltou a mesma coisa de antes, eu tentando puxar assunto, seguir conversa e nada. Antes desse estava falando com outro amigo (que conhecia essa pessoa que eu briguei, inclusive já foram bem amigos, mas agora eles não tem tanto contato), conversávamos bastante e blá blá blá, até que ele sumiu por 4 dias, pelo que eu disse antes, ignora mesmo. E ainda foi no período que eu ainda estava extremamente mal pela discussão que tive, quando ele voltou pra falar comigo discuti com ele também e disse que queria terminar a amizade, a resposta que tive foi: "faça o que quiser, não vou mudar mesmo", engraçado ler isso de alguém que até um tempo atrás queria muito ser meu amigo e até floodava mensagem pra me encher o saco e chamar atenção.
Enfim, acabei por falar pra um deles sobre a inveja que eu tinha dele ter outros amigos (e que claramente tinham mais importância, infelizmente é assim, as amizades tem "níveis"), ele falou dos problemas dele também, que entendia as minhas inseguranças, que também era antisocial e tímido, pensei que por ter problemas parecidos podíamos nos ajudar, mas não falei isso, disse que não via nada pra fazer a respeito, ele concordou, me deu um "boa sorte" e vida que segue.
A minha gota d'água foi um deles me mandar foto do pulso cortado dizendo que queria morrer e essa era a prova, não sabia o que fazer, tentei falar com os outros, só tive resposta de um amigo que conheço pessoalmente e que já passou por muito disso, ele se ofereceu a ajudar e falar com quem me mandou, mas eu nem cheguei a ler tudo, foi aí que eu só desinstalei todas as redes sociais que eu podia ter contato com eles.
E aqui estamos, a última vez que entrei no Twitter (e qualquer outra que tenha contato com eles) foi na (acho) segunda semana desse distanciamento pra procurar uma artista que eu gosto, aí eu vi aquelas 7 DMs e mais 2 tweets perguntado se alguém sabia algo sobre mim, sobre as DMs, nem cheguei a ver.
Um amigo até chegou a me mandar duas mensagens perguntando o que tinha acontecido e tals por um jogo online que eu jogo constantemente, eu ignorei, ele deve ter visto quando eu joguei, porque esse jogo é desses, diz a última vez que você esteve online, até então não recebi mais nada.
Uma das coisas que quero pontuar é que não choro mais, não me sinto mais triste, o que era constante antes, sinceramente, estou feliz assim, dedicando meu tempo a outras coisas e ainda "curei" aquele vício em rede social. Às vezes sinto falta de alguém pra conversar, discutir os interesses em comum e pá, mas eu não quero voltar pelo simples motivo: medo de ficar triste de novo. Mesmo que eu tenha deixado para trás gente que não tem nada a ver com isso sem dar explicação, ainda sinto que tenho que continuar mais tempo assim e focar nos meus objetivos atuais, até estava pensando na ideia de fazer amizade com estrangeiros (já que estou aprendendo inglês e pensado em começar outra língua), mas não sei, deixo pra outro momento.
Sempre tive o problema de me apegar demais as pessoas, e a vida já me mostrou em várias situações que isso não é uma coisa boa. Agora tenho sentido uma melhora nessa parte, preciso entender de vez que as pessoas entram e saem das nossas vidas e aprender a ser mais indiferente, sem exagero, porque seria ruim da mesma forma.
Mas no final, foi errado me distanciar? Ainda não sei ao certo o que fazer, pelo menos ta indo k
submitted by sakurakami to desabafos [link] [comments]


2020.06.14 05:19 Salamandra01_ O meu primeiro amor...

Olá, Lubinha, editores maravilhosos e caros telespectadores dessas terras tupiniquins. Queria começar agradecendo por você dar tanto espaço aos seus inscritos e foi por isso que tive coragem de compartilhar uma história muito importante da minha vida com vocês.
Completei o ensino fundamental todo em uma escola particular, pois graças a minha mãe e uma pitadinha de sorte consegui uma bolsa integral lá. E eu agradeço muito por ter estudado lá e conseguido ter uma boa educação, porém nem tudo são flores. Haviam algumas restrições lá e uma delas era justamente o controle sobre relacionamentos. Acontece que a escola não tinha ensino médio e eu tive que vir para uma escola pública aqui do meu bairro.
Quando cheguei lá, estava sem amigos (já que o pessoal da particular nunca fez muita questão de estar comigo, e ainda por morarmos longe), fiquei completamente perdido, afinal o ambiente era totalmente diferente. E foi aí que a minha vida começou a mudar: comecei a perceber que ao responder as perguntas dos professores eu era intitulado de nerd, por causa das minhas roupas mais casuais e por ter estudado numa escola particular eu era o riquinho da turma, e o pior de tudo: eu provavelmente era a única pessoa daquela escola que ainda não tinha beijado. Por sorte, acabei conhecendo bons amigos, inclusive o meu melhor amigo.
Passou o primeiro ano e essas questões estavam me preocupando cada vez mais, até que algo incrível aconteceu: a menina mais linda que eu já tinha visto entrou na minha sala e sentou em uma das mesas. Foi a partir dalí que eu não conseguia mais prestar atenção nas aulas, pois só tinha olhos pra ela. Eu não teria coragem de chegar nela, até mesmo porque a pouco tempo atras eu nem me importava com isso e então não tinha experiência nenhuma. Até que um dia teve uma palestra e ela por coincidência ganhou um livro de poemas. Eu nunca fui o tipo de cara que gosta de ler, mas aquela era a oportunidade perfeita para eu tentar me aproximar. Quando estávamos voltando pra casa eu a chamei, os amigos dela estavam com ela e eu estava morrendo de vergonha, mas tomei coragem e pedi para que ela me emprestasse o livro depois de ler. Foi assim que começamos a nos falar.
Até que um dia aconteceu a festa junina na nossa escola, e eu estava andando pra lá e pra cá com meu amigo, quando do nada eu e ele recebemos um bilhetinho dizendo que tinha alguém interessado em nós. Eu fiquei desesperado tentando encontrar quem mandou aquele bilhete, mas no meu coração eu tinha certeza que foi ela. Então um dia enquanto conversávamos eu tomei coragem e disse: eu gosto muito de alguém, mas eu tenho medo de falar porque pode ser que esse alguém que eu goste na verdade gosta do meu amigo (porque ela poderia ter mandado o bilhete pro meu melhor amigo ao invés de mim). E eu fiquei chocado quando ela respondeu: eu gosto de alguém, mas eu não sei o que fazer porque a minha melhor amiga também gosta dele. Bom... não preciso nem dizer que eu estava num mix de felicidade e preocupação. Conversamos bastante e decidimos que, apesar de inevitávelmente machucar alguém, eu gostava dela e ela gostava de mim, e não seria certo nós nos restringirmos por causa da amiga dela.
Meu primeiro encontro estava marcado, decidimos ir ao cinema. Eu cheguei quase 2 horas antes porque estava muito ansioso. Me levantava do banco e sentava a cada 5 minutos, as pessoas a minha volta deviam achar que eu era louco. Tinham dos caminhos pelos quais ela poderia chegar, eu ficava olhando pros dois lados sem parar, morrendo de ansiedade. Até que eu vejo ela vindo, não consegui me segurar, ela estava tão linda que eu abri um sorriso de uma orelha a outra. Nos cumprimentamos, demos uma volta antes de entrar e finalmente fomos assistir o filme. Quando estava na metade do filme eu sabia o que tinha que fazer, mas minhas pernas tremiam muito e eu não conseguia me mexer, até que eu decidi olhar para o lado e esperar ela me olhar de volta. Acontece que, ela era tão quanto ou mais envergonhada que eu então ela não olhou. Então eu cheguei perto dela e disse que queria beijá-la (kkkkkk nós ficamos rindo por um tempo), até que enfim nos beijamos... não vou mentir, tivemos que tentar umas seis vezes até rolar um semi-beijo (porque ela também não tinha beijado muitas pessoas). Depois daquilo eu abracei ela e continuamos olhando o filme. Por sorte, quando estava quase acabando eu lembrei de pedir pra ela olhar o meu rosto (eu estava cheio de batom kkkk). Saímos junto e voltamos pra casa, não queria estragar o resto do encontro então nem arrisquei tentar mais um beijo.
Bom... foi depois disso que tudo começou a desandar. Um dia enquanto conversávamos ela disse que precisava de um tempo para pensar, e quando ela voltou disse que era melhor nós pararmos. Meu chão desabou, começaram os piores dias da minha vida. Eu continuei ao lado dela como amigo, mas eu só estava me enganando... me machucava ficar ao lado dela só como amigo mas eu também não queria deixar de ser amigo dela. Começou um período de total confusão, ela tinha namorado por pouco tempo com uma menina ha um tempo atrás e parecia que nós estávamos competindo por ela. Isso continuou até o verão quando eu fui pra praia no ano novo, estavam todos comemorando e eu não conseguia parar de chorar pensando nela. Foi quando eu vi uma daquelas brincadeiras por status do Whatsapp onde precisa marcar entre uma semana atrás, um mês atrás, etc. E essa outra menina tinha marcado uma semana atrás para beijo... foi quando caiu a ficha. Não tinha sido eu o escolhido. Eu entrei no pior momento da minha vida, se eu já estava triste depois daquilo eu fiquei destruído. Depois que voltei das férias pedi para ela pra gente assistir um filme que já queríamos assistir há um bom tempo. Me diverti durante a tarde, tentei esquecer tudo o que tinha acontecido. Na hora de ir embora, ela me acompanhou até metade do caminho, eu dei o abraço mais forte que pude dar e me despedi. Fiz isso porque eu tinha tomado uma decisão: eu não queria mais sofrer... aquela era a última vez q a gente se falava.
Chegou o terceiro ano, minha rotina era ir pra escola, voltar pra casa e enterrar minha cabeça no computador fingindo que o mundo não existia. Meu melhor amigo tinha começado a namorar e eu já estava cansado de tudo aquilo. Eu sempre fui meio a moda antiga, e isso era um pensamento que me atrapalhava, porque eu já tinha deixado de ficar com as pessoas porque eu dizia que aquilo era ruim, que era errado ficar com alguém sem ter sentimentos (mas também grande parte era por medo da minha falta de experiência). Então por olhar pro lado e ver todo mundo feliz enquanto eu vivia triste, decidi que iria mudar... que eu nunca mais ia pensar em namorar na vida e que só ia viver de aventuras. Não durou muito tempo, afinal é impossível tentar ser quem você não é, continuava só com um beijo na ficha criminal.
Foi então que minha vida virou de ponta cabeça de novo... eu recebi uma mensagem dela. Foi a mensagem que mais abalou o meu coração, ela estava muito triste comigo por eu ter deixado de falar com ela porque ela realmente gostava muito de mim e eu me afastar dela foi suficiente pra ela perceber isso. Bom... eu fui um cuzão, mas posso me justificar por ter sofrido bastante, eu estava com medo de sofrer de novo, então eu disse pra ela que tinha mudado e que se ela quisesse eu só ia ficar com ela. Mas o sentimento foi mais forte, eu também sabia que gostava muito dela. Até que teve o aniversário do meu amigo, e eu pedi pra ela vir na minha casa antes para nós conversarmos antes de ir. Foi uma conversa bastante estranha, mas no fim decidimos dar uma chance pra nós, no fim eu fiquei tão empolgado que tentei dar um beijo nela, mas ela desviou e me pediu desculpa (o que era completamente compreensível devido a toda situação).
Foi então que começamos a ficar. Apesar disso, nós ainda não tínhamos tanta intimidade e não tinha rolado um beijo de verdade ainda. Eu ia pra casa dela mas nós ficávamos conversando, conversando mas ninguém tinha coragem de avançar. Até que um dia nós decidimos ficar nas escadas do prédio... e foi a mesma coisa, conversamos até a hora de eu precisar voltar pra casa. Eu estava completamente frustado comigo mesmo por mais uma vez não ter conseguido tomar iniciativa. Eu me levantei e nos abraçamos pra nos despedir, quando a luz da escada resolve apagar... nós ficamos um tempo abraçados e aí finalmente rolou. Foi um momento mágico, como se fosse o nosso novo primeiro beijo.
Depois disso começou a melhor parte da minha vida. Eu tinha uma namorada linda e era muito feliz ao lado dela. Então chegou aquele momento da relação onde precisávamos dar o próximo passo, acontece que nós dois tínhamos irmãos e era raríssimo ter um pouco de privacidade. Foi então que eu tive coragem de pedir para o meu pai me ajudar, então um dia marcamos dela pousar aqui. Naquela noite meu pai levou minha família pra sair e eu fiquei sozinho com ela. Estávamos assistindo um filme comendo pipoca, a ideia era esperar o filme acabar mas não tínhamos tanto tempo assim pra esperar. Aquele parecia o filme mais longo do mundo, até que eu olhei pra ela e disse: tu ainda quer ver o filme? (Eu sei kkkkk eu tenho um dom de constranger as pessoas), novamente nos rimos por um tempo até que ela disse que não queria mais assistir. Eu fui até a tv, abri no youtube e disse pra ela: você tem duas opções de playlist, a atual ou a clássica (kkkk bom... isso eu posso explicar, eu sempre comentava com meu amigo que algum dia eu iria fazer amor ouvindo aquelas músicas românticas clichês, porque eu realmente gostava delas). Pra minha surpresa, ela escolheu a clássica. Aquele era o momento mais feliz da minha vida, eu não estava acreditando no que os meus olhos viam, ela usava uma linda lingerie preta e a luz da tv na pele morena dela dava um contraste lindo a beça. Aquela foi a nossa primeira vez, um momento muito especial pra nós dois, a minha primeira vez e a primeira vez dela.
Acho que muitas vezes as pessoas esquecem que sentimentos mudam tudo. Nosso primeiro beijo, nossa primeira vez... obviamente não foram as melhores coisas do mundo, mas para mim e para ela foi, porque não se tratava de beijo ou de sexo, se tratava de amor.
Nós namoramos por bastante tempo, até que os problemas começaram a surgir e as diferenças começaram a nos atrapalhar. Ela era uma pessoa que gostava bastante de sair e eu era uma pessoa mais caseira, que gostava de cinemas, restaurantes, piqueniques. Além disso, eu sou uma pessoa extremamente carinhosa, já ela tinha uma maneira mais sutil de demonstrar carinho. Isso ao longo do tempo começou a ficar cada vez mais evidente, até que começou a machucar. No início nos fingimos que não estávamos vendo, porque amavamos muito um ao outro e não queriamos nem pensar na possibilidade de terminar. Mas infelizmente se tornou inevitável, nós tivemos algumas conversas mas para nós darmos certo era necessário que ambos mudassem, e nós não achavamos certo ter que mudar, afinal um relacionamento só da certo se ambos aceitam e conseguem suportar as diferenças. Foi então que a gente viu que não dava mais certo e resolvemos terminar. No fim, o sentimento não foi de raiva, não foi de tristeza. Decidimos continuar amigos porque a amizade um do outro importa muito pra nós, eu quero que ela seja feliz e sei que ela deseja o mesmo pra mim.
Com essa história gostaria de dizer que ter maturidade significa olhar pra trás e não ter vergonha do passado. Graças a ela eu me tornei uma pessoa melhor e aprendi muitas coisas. Aprendi com meus erros e vou me certificar de não errar da próxima vez. Nunca vou me esquecer dos nossos momentos juntos eu vou guardá-la pra sempre no meu coração.
OBS: sobre os bilhetinhos de festa junina, quando namoramos ela me contou que na verdade o bilhete que eu tinha recebido era da amiga dela e ela resolveu mandar pro meu amigo pela zueira kkk / outra coisa, ela foi muito importante pra eu mudar meu pensamento retrógrado, hoje eu sei que não tem nada de errado em ficar, e que na verdade é até bom pra conhecer a pessoa bem antes de tentar algo.
É isso, te amo Luba! Abraços!
submitted by Salamandra01_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.03.10 00:57 Ruuukasu Eu preciso de ajuda urgente

É a primeira vez que posto algo aqui, tanto no sub quanto no reddit. Eu não quero enrolar demais porque tô desesperado. Tenho 17 e minha namorada 15. Ela sofre agressão dos pais praticamente todo dia desde que ela era criança. Cada vez fica pior e eu nem sou capaz de denunciar, porque eu sei que se ela for pra um abrigo pode ser muito pior. Eles são ricos extremamente conservadores, isso parece coisa de filme de tão absurdo. Eles odeiam qualquer amigo que ela fazia porque vários são negros ou não seguem um padrão de estilo comum. Talvez você deve pensar "ah são aqueles jovens que vão em festas e desmaiam de tanto beber e se acham os diferentoes". Não. Tô falando de pessoa que ficam a tarde toda estudando na biblioteca da escola, que vão em amostra de filmes cult, aqueles clássicos nerds que se encontram toda semana pra jogar rpg de mesa. Os pais dela odeiam esse tipo de gente, acham que traz uma imagem ruim. Ela tem um irmão mais velho que passou pelas mesmas coisas. Tiraram ele da escola por causa dos amigos. Sim ele ia desfazer as amizades por causa disso... óbvio... Não! Ele continuou com esses amigos, foi pra uma escola onde fez amigos novos, mas que levaram ele pra merda. Ele sai de casa pra comprar droga todo dia e tem vez que demora dias pra voltar, além de agora tá tendo que responder na justiça por assédio sexual. Os pais espancam ela sem motivo nenhum. Trancam ela no quarto e começam a bater nela e ela chega com hematomas. Uma vez o irmão perdeu o carregador da mãe e ela entrou no quarto dela e começou a bater nela pra depois perguntar onde tava. Uma vez ela não escutou o que a mãe tinha dito, e de alguma forma a filha da puta achou que ela tava debochando e enforcou a própria filha. Minha namorada tem tdah, mas não num nível que precisa tomar remédio o tempo todo. A mãe comprou um remédio que o médico nem receitou e tava dando pra ela, e ela tava passando mal todo dia até que o irmão descobriu e falou pra ela. O pai xinga ela por qualquer coisa e sempre humilha ela quando ela pede ajuda pra estudar. Xinga a aparência dela o tempo todo e zoa as cicatrizes no braço dela. Sim, ela se cortava. Ela sofreu bullying por muito tempo, e quando os pais descobriram começaram a rir falar que tava feio e que ela ia pro inferno. E obviamente ela começou a se cortar mais até que virou um vício... Ela tem um outro irmão, diagnosticado com autismo. E um autista vivendo numa casa violenta vira uma pessoa?... violenta! Sim, o irmão repete o que os pais fazem e bate nela, uma vez fez pegou uma faca e tentou atingir a mãe. Recentemente eles descobriram que ela namora. E descobriram que eu tenho um Black Power e que meu pai é fotógrafo e minha mãe funcionária pública. Resolveram tirar ela da escola, e nem preciso falar que no dia seguinde ao que eles descobriram ela chegou cheia de hematomas... Ela vai pra uma escola conhecida por ter muito bullying. Apesar dos pais, na escola eu e os amigos dela conseguiamos animar ela, e fazer ela esquecer do vício de se cortar e até parar de pensar em suicídio. Queria ter pedido ajuda sobre isso antes, não aguento mais ver isso, ela tá perdendo toda a infância e a juventude, nem sair de casa ela pode. Bem é isso. Eu não sei o que fazer...
submitted by Ruuukasu to desabafos [link] [comments]


2020.01.15 05:35 kingsvell Nunca imaginei que viria escrever algo aqui mas dessa vez, cheguei no meu limite...

Então, desde ja começo pedindo desculpas pelos palavrões e pela forma que vou escrever, provavelmente com muitos erros de português pois escrevo isso com muito ódio e muita tristeza em mim...
Assim, sei que vou ser julgado aqui, mas antes que me julguem, deixa que eu faço o trabalho pra vocês, vai ser mais fácil: Eu sou literalmente UM BOSTA inutil. Eu tenho 29 anos e estou pra completar 30 esse ano, estou numa fase terrivel no qual eu não consigo um emprego tem mais de 7 anos, o último emprego que eu tive foi um "estágio" no qual fui tratado por quem me contratou da forma mais escrota possível.
O que eu mais desejo na minha vida era poder sair da casa de meus pais mas, infelizmente, meu fracasso é tão grande, mas tão grande que eu ja não sei mais o que fazer. Sou formado em Publicidade e propaganda em bsb e no meu ultimo ano de faculdade, basicamente, todas as agencias fecharam pois só existiam escritórios aqui para fazer licitação pq a legislação obriga. Pedi, basicamente, de joelhos a uma "amiga" influente daqui pra me ajudar e nada aconteceu. Mandei meu CV pra ela e eu acredito que ela simplesmente cagou pra mim.
Tentei fazer bico de Uber ano passado porém eu achei aquilo tamanha humilhação no qual não dei conta é basicamente um trabalho escravo e a população faz seu carro de lata de lixo. Se eu consegui fazer 100 reais liquido foi muito! Resultado: Fudi (no sentido de desgaste, depreciação mesmo, nada sério) com o carro que por sinal era de minha mãe, minha mãe não podia saber na época pois tinha tido um AVC e hoje quem acabou cuidando dela sou eu (não tenho do que reclamar disso, mas eu ja não tenho tempo pra mim, pra fazer as pouquissimas coisas que eu gosto pois tbm tenho uma namorada no qual me consome demais, mas não venho aqui reclamar dela.).
Muitas das responsabilidades de casa ficaram sobre minhas costas ja que antes minha mãe fazia tudo aqui em casa. Eu tenho um irmão porém ele trabalha loucamente e é extremamente na dele. Ficaria extremamente feliz se ele ajudasse mais dentro de casa, mas a única pessoa que ele ajuda é a namorada dele que ele trouxe da pqp pra morar aqui e ela ja não ajuda muito aqui em casa e acabou que tirou boa parte de minha privacidade.
Dado um pouco de contexto venho aqui mostrar o porque que eu sou um bosta: Nada adianta você tentar agradar todo mundo que todo mundo pisa em ti. Tentei seguir na carreira de fotografia porém me fudi, sou realmente muito bom mas depois de um certo tempo percebi que não tem como competir com o povo do ramo pois eles fazem questão de te FUDER de verde e amarelo OU quem procura um trabalho de fotografia sempre vai ter um sobrinho pra fazer. Tentei juntar minha formação com a fotografia e também deu errado, apliquei mais de 10 fucking vezes a um dos studios que fazia trabalhos para Caixa, BB e etc, o filha da puta me chamava só pra trocar uma idéia sobre equipamentos e me dispensava. Desisti de tudo e tentei seguir carreira na aviação, coisa básica mesmo, atendimento ao cliente, recepção o que esses agentes de aeroporto fazem, porém, não sei porque, ja tentei mandar currículo escrito que eu tinha ensino médio completo, ensino superior completo, mas, com apenas 3 porras de cias aéreas nessa merda de país fica foda de conseguir uma bosta de emprego, as vezes parto do pressuposto que alguém com ensino superior não vai aceitar o salario que eles oferecem, mas né, pra quem não ganha bosta nenhuma e é sustentado pelos pais, o melhor a se fazer é ganhar 500 conto pra trabalhar meio periodo, sei lá... Mandado cv pras cias e NADA, nenhuma posição. OU seja, em algum momento da minha vida eu fiz uma cagada absurda que não consigo mais porra nenhuma, saca? É uma frustração do qual não tem tamanho.
Eu sei que tem uma galera numa situação muito pior, uma situação muito escrota mesmo... Eu frequentei o Centro internacional de Reabilitação Sarah Kubitcheck acompanhando minha mãe, não reclamo da minha situação quando eu vejo a galera lá toda lascada... O que eu acho foda, pra mim, é que eu não consigo crescer na minha vida! Eu to pra perder outra namorada porque eu não consigo sair de casa, porque não consigo ajuda-la a pagar as contas dela e até mesmo as minhas!
É uma frustração enorme no qual a única saída que eu vejo é o suicidio mas o bosta aqui nem isso consegue fazer! Ja tentei ligar pro CVV e o que eu sempre recebi era uma ligação caindo do nada ou nunca sendo atendido. Ja tentei 3x, na 3a eu fui internado em uma clinica psiquiatrica (2014). Eu não sou de bsb sou do rio, deixamos tudo para trás, perdi todos os meus amigos, fiquei doente, tentei fazer novas amizades aqui mas pelo visto em bsb ninguém quer ser seu amigo se você é sustentado pelos pais ou não é funcionário público.
Eu tento conversar com meus pais sobre isso, sobre as minhas frustrações e eles acham que é babaquice da minha parte porque eles acham que é o objeto de desejo que causa minhas frustrações e não o "big picture". Eu explico: por exemplo, preciso de dinheiro para comprar algo, seja o que for. Eu ODEIO pedir aos meus pais isso logo eu fico frustrado por conta de não conseguir tal coisa... Aí meu pai fica emputecido por achar que se ele me der tal coisa tudo vai voltar a ser o mar de rosas. Eles não entendem que não é o objeto, o tangível, é o fato de eu não conseguir meios próprios para eu conseguir determinada coisa! Uma viagem, um objeto de valor, qualquer coisa... É uma merda depender deles.
É muito ruim se sentir um bosta, não poder crescer com nada, sentir que todo mundo está crescendo e você ficando pra trás. Eu nunca fui bom em estudar, não sei estudar, não passaria em nenhum concurso público, para vocês terem idéia, meu terceiro ano foi em uma escola que ninguém tava nem aí pra nada, o dono só queria o dinheiro mesmo pois reprovei o segundo ano duas vezes. Meus sonhos, todos, ja foram por agua abaixo. Ja desisti de ser pai pois ja não tenho mais condições fisicas e psicolgicas pra isso, nem financeira, né?
Tentei ao máximo tirar nacionalidade portuguesa pra tentar a vida em outro país, mas o dinheiro acabou e o ânimo também depois de ver relatos que mesmo você tendo a documentação, as pessoas nos outros países vão te ver como lixo. Eu to sem perspectiva de vida NENHUMA.
É dificil lidar com meus pais que não olham o que deveriam olhar pra mim, aceitar uma pessoa que não ajuda em casa e que tá com problemas na familia e nào fazem nada, eu não conseguir um emprego pra poder me virar, ouvir sua namorada o tempo todo falando que você precisa arrumar um emprego que ela ja tá velha e que precisa casar logo, minha mãe que não entende o quão fracassado eu sou que depois de formado (2013) em 2016 eu tentei análise de sistemas, em 2017 eu tentei nutrição e 2018 eu tentei psicologia e todos esses cursos deram errado para mim, fica forçando que eu tenho que achar um emprego, porra meu, se eu não dou certo em bosta nenhuma, vai ajudar ficar forçando isso?
Eu moro numa das piores cidades do DF com relação a fazer amizades. Sou uma pessoa que pensa MUiTO no próximo, que não gosta de incomodar, que trata bem, que respeita, mas na cidade onde eu moro é só bolsominion, é só gente estúpida fazendo estupidez, hoje eu quase fui atropelado porque o babaca entrou na contra-mão. Assim, é um lugar onde o povo só olha pro próprio nariz! Eu não nasci pra essa cidade e eu não nasci pra esse mundo. Eu espero que, daqui a alguns dias eu consiga fazer aquilo que eu mais quero pois eu não estou aguentando mais ter que dividir apartamento com gente que não gosta de mim (namorada do meu irmão), não gosto de ficar dando despezas pra meus pais, me sinto um lixo quando eu peço dinheiro a eles, um homem de 30 anos na cara pedindo dinheiro pra papai e pra mamãe? Eu so um lixo de pessoa... Sei lá.
Se você leu até aqui, cara, tu é muito foda, saiba disso. E desculpe o texto grande e bagunçado, é uma ilustração de como minha insatisfação com o mundo tá. Eu começo um assunto que vai puxando o outro nada a ver e que depois volta. Sei lá. Terapia é uma coisa que não funciona pra mim, pois desde a época que eu fui internado, ja passei por mais de 10 psicologos e nada. NADA. Hoje eu tomei uma decisão de simplesmente sumir. Apaguei todas as minhas contas em rede social com exceção da bosta do facebook que ainda tem alguns dos meus jogos conectados a ele, vou procurar trocar meus numeros também. Eu nao quero mais ser encontrado (apesar de ninguém me procurar mesmo), e simplesmente conseguir o que eu mais quero que é pular da janela do sexto andar. Pois o inutil, bosta, o escroto (como a namorada do meu irmão me chamou no TT sem eu ter feito NADA a ela e sempre oferecer as coisas a ela), o babaca aqui cansou, saca?
Desculpe pelo texto. Bom dia, galerinha. :)
submitted by kingsvell to desabafos [link] [comments]


2020.01.04 21:39 JuniorCarmo Preciso de ajuda psicológica sobre relacionamento.

Vou contar a minha história e a quem interessar eu gostaria de alguma opinião sobre o assunto. Talvez fique grande mas espero que leiam.
Tudo começou no 2° ano do ensino médio quando nos primeiros dias de aula eu conheci a minha futura namorada. Vivemos quase 5 anos juntos e nos finalmentes do relacionamento até moramos juntos com o meu pai.
Eu amo muito ela e ela sempre me amou muito! Ela sempre correu atras de mim quando havia alguma briga e vendo como foi o meu relacionamento com ela, vi que nunca dei tanto valor assim. Geralmente só se dá valor quando se perde, não é mesmo?
Com mais ou menos 2 anos de relacionamento e algumas brigas infantis de um casal jovem de apenas 18 anos de idade, nós tivemos a primeira briga séria onde nos separamos por mais ou menos um mês. Antes de se separar, nós sempre saíamos nos finais de semana com alguns amigos meu, e teve um em especial, que íamos na casa dele, no quarto dele, esperar ele se arrumar para podermos sair ( Eu, minha namorada e um amigo ). Nós íamos no cinema, pastelarias e afins, apenas para dar umas voltas e etc. Quando eu e minha namorada nos separamos por mais ou menos 1 mês, resolvi tentar voltar com o nosso relacionamento, foi quando ela me contou que havia saído com ele e ficado com ele uma vez. Ele era meu amigo a mais de 10 anos! Nesse meio tempo que eu fiquei separado, também saí com uma amiga minha, fiquei algumas vezes mas optei por voltar com o meu relacionamento. Ela aceitou voltar comigo, pedi que ela bloqueasse esse amigo com quem ela ficou, com medo de que continuassem conversando e etc. E ela pediu que eu bloqueasse a menina com quem eu fiquei e tentamos seguir a nossa vida.
Depois de um tempo morando junto com a minha namorada e com algumas brigas infantis, brigamos sério novamente e nos separamos de novo por mais de um mês e ela saiu da minha casa e voltou pra casa da mãe dela. Como nós morávamos com o meu pai junto, sempre tivemos muito conflito, ela nunca gostou do meu pai e creio eu que ele foi 50% do stress do nosso relacionamento. Após mais ou menos 1 mês separado, eu novamente tentei voltar com ela e bomba! Descobri que ela estava namorando com aquele mesmo "amigo" meu de 10 anos atras, e que haviam conversado a mais ou menos 2 anos atras.
Fiz de tudo para tentar voltar, eu tentei conversar com ela de todas as formas, segui ela quando vi ela andando de carro, fui na casa dela de madrugada enquanto ela dormia para tentar conversar, me humilhei, me cortei, tomei mais de 30 remédios e quase me joguei de moto na frente de alguns caminhões na estrada. Foi uma depressão terrível. E não teve jeito, ela vai continuar com ele.
Acredito que ela não sofreu com o nosso término de relacionamento, foram quase 5 anos junto, eu tive MUITO apego emocional e não consigo acreditar como ela foi capaz de ficar com ele em tão pouco tempo. Descobri que ela já havia chamado ele novamente 1 semana após o término comigo. Não sei se ela está fazendo de propósito para tentar me machucar, se está tentando me esquecer dessa forma. O que ela fez comigo é imperdoável, falta de respeito total e falta de consideração comigo.
Nas vezes que eu tentei cometer suicídio, cortando os pulsos, tomando remédio e quando eu havia dito que ia me jogar na frente de um caminhão, ela fazia questão de vir pessoalmente falar comigo e falava que não era pra fazer isso e etc. Ela disse que se importa muito comigo e me quer bem, mas eu não consigo entender porque ela ficou com outro cara tão rápido, porque jogar no lixo quase 5 anos tão rápido e tão fria.
Já tive uma consulta com um psicólogo no seu consultório, porém, ainda não estou bem, preciso esperar para ter a próxima consulta, por isso vim até o reddit pedir a opinião de psicólogos e de pessoas que já tiveram experiencia com isso. Eu amo muito ela, todos os dias eu penso muito nela. Ela já me bloqueou de todas as redes sociais, portando não consigo stalkear, por mais que isso vá me machucar muito, eu tenho vontade!!! Eu acredito que estou com depressão. Eu não consigo dormir a noite, se eu acordar no meio da madrugada, fico pensando nela de forma involuntária e não consigo mais dormir, fico pensando em toda a intimidade que eu tinha com ela, e agora outro homem fazendo o que eu fazia com ela. Imagino ela fazendo sexo com o cara, só fico com pensamento ruim e meus dias estão sendo longos e terríveis. Eu sinto um vazio ENORME no peito, um gelo. Eu não consigo comer e nem tomar água, realmente não sinto fome, porém, eu tento empurrar comida e água. Parece que meu estomago diminuiu.

Alguém que já passou por isso tem alguma dica mágica que ninguém fala? Algum conselho? estou sofrendo muito, e sofro muito mais sabendo que ela não sofreu com isso. sabendo que ela já tem outro e eu estou aqui, afundado no limbo do sofrimento. Obrigado quem leu tudo.
submitted by JuniorCarmo to desabafos [link] [comments]


2019.12.12 21:16 JVFP_ Preocupado com a minha saude mental

Preciso falar disso em algum lugar se não é capaz de eu explodir. Minha família é muito complicada. Sei que todas tem seus problemas, mas eu fico preocupado com a minha saúde mental.
Meu pai e minha mãe brigam desde sempre e nunca fizeram questão alguma de esconder as brigas dos filhos. Quando começa são horas de gritaria, que os vizinhos conseguem ouvir sem grande esforço, piadinhas maldosas entre os dois que depois de anos irritam cada vez mais, tapas, murro em móveis e isso desde que me entendo por gente.
Uma vez teve uma briga muito grande que envolveu o restante da família, onde até meu tio veio bater no meu pai, chamaram a polícia e quando a poeira abaixou um pouquinho um conhecido me perguntou se não sentia dó da minha mãe chorando e eu responde que não. Porque sabia que ela estava tão errada quanto meu pai. Eu não sei se é coisa normal não sentir nada vendo a mãe chorando por situações como essa.
Eles fingem que não sabemos, mas um dos motivos disso é que meu pai fuma maconha e apresentou a droga ao meu tio que agora está preso por roubo, mas que já foi preso por tráfico. Se não bastasse meus pais, ainda tem o imbecil do meu irmão, doi escrever isso mas é verdade.
Ele teve a primeira namorada no ano passado. Desde o primeiro momento minha mãe não foi com a cara dela. Passado um tempo, eles terminaram. Essa namorada começou a andar de mãos dadas com um menino, mesmo assim meu irmão manteve o contato - o que eu não acho ruim, se a pessoa foi ou é importante na sua vida não há motivos de cortar laços - o que serviu de combustível para mais brigas entre meu irmão e minha mãe. Resultado: Quando minha mãe veio do serviço encontrou ele de mãos dadas com a ex. Brigaram, gritaram no meio da rua, ele ameaçou se matar, ela chorando pediu desculpas. Desce chorando e me contando tudo, e eu me sinto cada vez mais sufocado.
Meu relacionamento com ela também nunca foi dos melhores. Ela já disse coisas bem horriveis e não esqueco. Um exemplo é que depois de me ver acordando cedo pra fazer entrevistas, sem desistir, nem me acomodar, ela disse que era melhor eu parar de fazer entrevistas porque nunca conseguia nada. Chorei muito. Machucou mesmo.
Eu quero fugir. Prezar pela minha saúde mental, mas não sei se é bobo ou egoísta esse querer. E tenho medo do quanto esse ambiente está me afetando, além da sanidade, em auto estima, comportamentos depressivos e sufocamento. Sou uma pessoa boa, empático, mas eu realmente queria sumir daqui. O foda é que SEMPRE tratam como se nada tivesse acontecido, e eu absorvo tudo como se fosse uma esponja.
EDIT: Agora os dois conversam normalmente. Que merda do caralho. Se querem se matar, se matem logo. Me sinto preso em um ambiente que acaba comigo e que não controlo. Minha cabeça fica muito fudida com uma coisa dessas.
submitted by JVFP_ to desabafos [link] [comments]


2019.11.30 04:18 IWishIWasMoreLikeMe Galera, eu só quero falar um pouco sobre minha vida e sobre a situação ruim que passei hoje com meu pai

TLDR: Levantei o tom com meu pai que me tratou mal durante minha vida, acabei sendo enforcado, quero ajudá-lo a tratar essas emoções ruins que ele sente pois ele é uma boa pessoa, tenho medo que faça algo ruim a si mesmo antes que de fato se dê a chance que merece, meu pescoço está doendo um tanto e devo ir para o hospital(minha namorada me convenceu a ir). Vou tentar ajudá-lo, se não for possível, ajudarei minha mãe com a separação. Espero muito que as coisas deem certo.
Primeiramente, me desculpem caso esse tipo de post não devesse estar aqui, eu pretendia escrever em um local como relationship_advice mas em inglês talvez as coisas ficassem mais incompreesíveis do que já estão.
Procuro apenas visões sobre a situação em que me encontro, já ajudei bastante gente pela internet, é minha primeira vez procurando ajuda e me "expondo". Bem não quero escrever um mega texto, conforme os possíveis comentários eu posso ir oferecendo mais e melhores detalhes, mas aqui vai um tantinho sobre mim: Tenho 20+ anos, estudo de maneira autoditada sobre ciência da computação, desde pequeno gosto principalmente de computadores, linguagem e física, atualmente faço freelances em cybersecurity(consultoria, bug bounties e reversing de malware) e tento fazer o possível pra estudar um pouquinho a cada dia.
Consigo dinheiro para pagar minha internet, presentes pra minha namorada e as vezes sobra um tantinho também para investir, mas me sinto mais destruído a cada dia... Minha namorada que também é minha única amizade simplesmente tem sido tudo que me dá forças nos últimos 3 anos. Devo a ela grande parte do progresso que tenho tido em minha vida, caso ela veja isso, eu te amo muito meu anjo, muito obrigado.
Bem, meu pai tem 60+ anos, é aposentado pelo exército, e hoje trabalha como vigilante, madrugada sim, madrugada não. Tem duas filhas com outra mulher que o expulsou de casa(recentemente descobri que a mãe dele também o expulsou), porém ele ainda o envia dinheiro pra eles e paga o aluguel, até ano passado ele no papel ainda era casado com essa outra mulher, depois de muita luta minha mãe conseguiu a "União Estável"(A outra mulher ainda se achou no direito de tirar metade do pouco que ele tem...). Ele ajuda com as contas de luz, água e leva minha mãe no carro quando é preciso, as vezes resiste um pouco, mas nunca o vi negar isso.
Bem talvez já esteja óbvio, eu ainda moro com meus pais, e sinto que as coisas são mais difíceis do que o necessário há muito tempo, infelizmente grande parte da minha memória parece ter sido apagada, acredito que por conta da depressão que tive a partir de meus 13 anos e não ter tido amizades pra reforçar as lembranças... mas tenho lembranças de minha mãe chorando, deles brigando diariamente, meu pai insultando tanto a mim quanto ela, e nós sempre ficando calados diante dessas atitudes. Nós dois sempre vivemos com medo de errar, eu sempre vivi com medo de contrariá-lo e até de brincar com ele, mas eu tive o privilégio de conseguir viver mais tempo olhando pra uma tela e estudando, fugindo dessa realidade, já minha mãe teve e meio que ainda tem que conviver com ele diariamente(não tanto nos últimos tempos porque comprei um celular pra ela) uma cama pra finalmente conseguir dormir(o que claro deixou meu pai triste :\) e uma Smart TV(ela sempre quis uma), ela internou duas vezes nos últimos 4 meses por estar com fortes enxaquecas, o médico me puxou para um canto e me disse o que eu já suspeitava "Isso é psicológico, puro estresse"
Há pouco mais de 1 ano minha mãe me contou que meu pai anteriormente deu um soco nela, e no dia que ouvi isso eu simplesmente fiquei triste, eu não esperava isso dele, apesar das más experiências... na verdade eu até imaginava que algum dia ele podia partir para a violência, ele sempre foi muito raivoso, mas eu não consegui acreditar que isso já havia acontecido... Bem, meu pai sempre foi de acusar a gente de cometer erros, de fazer o que na verdade ele faz com a gente "Vocês xingam" nunca o xingamos... "Vocês não me deixam falar" Só comecei a interrompê-lo de um ano pra cá, mas já quis fazer isso incontáveis vezes no passado, quando ele não foi capaz de perceber que estávamos desconfortáveis com o que ele estava falando ou até em vezes que vi ele sendo injusto "Vocês não falam direito e querem que eu adivinhe" Logo adiante verão que ele quem fez isso hoje mais cedo... "Vocês querem me deixar louco" O que eu posso dizer que durante minha crise por volta dos 14 anos eu também desenvolvi uma paranóia aonde eu achava que todos queriam me fazer algum mal, todos eram inimigos, isso colaborou muito no meu isolamento, sem amizades, sozinho, apenas consumindo livros e passando muitas madrugadas ouvindo a mesma entrevista do Richard Feynman em loop. Bem, certo dia eu tirei coragem de algum canto, e nesse dia conheci o amor da minha vida, com ela aprendi e tenho aprendido como eu provavelmente cresci em um ambiente um tanto hostil... mas eu nunca levei essa ideia muito a sério...
Eu sempre fui chamado de burro, tanto pelas crianças a minha volta durante a infância, quanto pelo meu pai de diferentes maneiras, e confesso que eu de fato sou um tanto lentinho(apesar de minha mãe dizer que eu falo muito rápido), já fui chamado de "retardado" por uma professora de inglês e durante muito tempo eu fracassei miseravelmente em contas matemáticas porque eu simplesmente não entendia os "porquês" por trás das regras... mas na internet encontrei o necessário pra certo dia conseguir ser chamado de "inteligente" apesar de nunca ter buscado isso, apenas me distanciei das pessoas e fiquei estudando, foram duas professoras, de química e história, também deixei um professor de matemática muito orgulhoso com minha apresentação falando sobre os planetas do sistema solar e minha explicação sobre as equações descritivas da gravidade, ele foi o professor que despertou meu interesse por matemática, ele me explicou que existia lógica por trás das regrinhas, um dos melhores dias da minha vida
Já me consultei com quatro psiquiatras e uma psicóloga, mas foi no meu primeiro psiquiatra por volta dos 14 que eu acho que devo ter tido a dica de qual era meu real problema, naquele consultório eu chorei bastante nos momentos que ele perguntou sobre meu pai, infelizmente meus pais me tiraram de lá porque achavam que ele pensava demais ao invés de dar uma solução. "Ele é meio bobo" esse foi o comentário do meu pai sobre o médico, pode não parecer um comentário tão ruim, mas o "bobo" dele pra mim é algo já bastante carregado. Pois bem, estou escrevendo muito, tá quase uma copypasta isso... Indo direto ao ponto... eu subi num pé de laranja que temos atrás de casa, inclusive agradecendo por poder comer laranjas que meu pai cultiva, então ele entrou em casa irritado dizendo "Não entendo porque a mãe(sim ele chama a esposa de "mãe"...) faz certas coisas..."
Minha mãe então começou a retrucar "O que eu fiz?" "Qual foi meu erro?" E ele não estava (como de costume) comunicando diretamente o que ele viu de errado, não estava facilitando pra ela... ele tende a achar que os outros não merecem facilitação(porque ele diz que nunca teve)
Essa foi nossa segunda grande briga, na primeira vez eu levantei o tom com ele, choramos... nos abraçamos... eu falei pra ele como eu admirava ele apesar dos erros, e tentei dizer pra ele como ele precisava aprender a ser mais querido com sua esposa e começar a pedir desculpas... as coisas não mudaram muito
Bem, hoje eu resolvi me meter de novo nessa discussão deles "Qual o problema pai?" "Sua mãe disse que trocou a água dos cachorrinhos, eu fui lá e a panela não foi trocada" São cachorros pequenos que ficam no terreno nos fundos de casa
Eu acabei insistindo no fato dele ter demorado tanto pra falar o problema
"Tá mas por que você não falou logo qual era o problema pra mãe?"
"Não adianta, vocês querem me deixar louco" "Eu não quero te deixar louco, eu estou comendo laranja"
"Vão lá atrás os dois e vejam aonde tá a água"
E de fato minha mãe esqueceu de dar água para os cachorros, mas eu tentei tranquilizar a situação
"Tudo bem pai, a mãe errou faz parte, eu levo lá pra eles a água"
Eu o ouvi resmungando, e infelizmente eu já não lembro mais o que foi dito a partir daqui...
Mas quando eu voltei eu disse "Negativo!" com um tom de voz alto e levantando o dedo, eu sei que eu estava tentando mostrar pra ele como ele mais uma vez estava invertendo as coisas...
Meu pai se levantou, veio até mim e eu me afastei, meu pai continuou vindo até mim e eu o empurrei, foi então que ele começou a apertar meu pescoço... Eu coloquei minhas mãos no pescoço dele também e o empurrei pra longe Ele ficou dizendo "Quer me bater?" e eu fiquei dizendo que não, minha mãe se meteu no meio e ele ficou me olhando com raiva e acho que ele tentou mais uma vez vir pra cima de mim "Por que você fez isso?" "Você se acha mais forte do que eu!" Dessa vez ele estava levantando a voz e o dedo "Você já vem me ameaçando há muito tempo!" Eu disse pra ele que não, não era minha intenção ameaçá-lo, ele disse que eu o ameacei ao levantar o dedo e minha voz Pela... milésima vez escutei minha mãe dizer " Isso passou dos limites, não dá mais"
E bem... meu pai disse "Você ainda vai perder teu pai" e eu retruquei "E você ainda vai perder teu filho" Ele foi lá para os fundos, com as mãos nos ouvidos(ele costuma fazer isso) mas dessa vez como na primeira eu insisti... eu conversei com ele mais uma vez... ele chorou quando falei sobre o que eu acho que ele sente... choramos bastante Basicamente ele passou pelo mesmo abuso durante a infância e tem cometidos erros porque não teve um amigo pra lhe dizer as coisas que eu o tenho dito nesses últimos meses além de sempre ter se negado a ceder a um "idiota que não resolve nada" vulgo psicólogo, ele não é fã de pessoas "que se acham"... enquanto isso ele diz coisas como "Eu to sempre certo" Mas bem... nos abraçamos de novo, eu pedi desculpas por levantar o dedo e a voz com ele, ele botou as mãos no meu pescoço fazendo carinho e chorando e disse algo como "Você sabe que minhas mãos não querem te fazer mal"
Minha mãe tinha uma viagem pra ir... cancelou... a convenci de ir já que já estava paga e acredito que pode ser bom pra ela...
Meu pescoço dói bastante ainda, e minha mãe tirou fotos das marcas que ficaram(eu nem havia notado tais marcas, não costumo me olhar no espelho) Eu devo fazer BO? Dói pensar em fazer isso...
Eu não sei ao certo porque minha mãe não se separou dele, ela disse já ter tentado mas parece que "ele não sai, e eu não vou deixar minha casa" mas hoje eu tendo a achar que é por conta de eu ainda não ter um carro(tentei tirar a CNH mas a porcaria do carro no dia da prova deu problema nas 4 semanas que fui, por sermos uma família não comunicativa nem sequer processamos a auto-escola(meu pai pagou as aulas))
Bem... por enquanto é isso jovens, estou com medo, bastante triste, mas com esperança de que posso conseguir ajudar meu pai a resolver os problemas que ele não resolveu até hoje. Eu quero ele bem, só tenho medo de não estar vendo as coisas como talvez eu deveria... Eu disse pra ele que não vou relevar esse dia acima da boa pessoa que sei que ele é, meus pais não se amam mais, eu disse isso pra ele, ele parece ter concordado com essa afirmação. É uma situação aonde duas pessoas boas juntas se tornaram ruins, e infelizmente eu estou no meio dessa confusão. No momento vejo dois caminhos possíveis, eu início o "tratamento" dele conversando com ele como nunca fizemos antes na esperança dele considerar ajuda profissional, e caso eu não veja isso como possível, farei o possível pra ajudar minha mãe a se separar dele. É
Obrigado de verdade por ler um pouco sobre mim, desculpe pelo péssimo texto, cabeça tá meio zoada.
submitted by IWishIWasMoreLikeMe to brasilivre [link] [comments]


2019.09.15 19:11 YareYareDaze007 Minha "breve" história amorosa

Essa História que será aqui contada, nesse livro, é a jornada de um garoto chamado Giovane, um garoto quieto, de poucos amigos, porém muito estudioso, sempre tirava boas notas na escola. E é exatamente lá que nossa história começa.
No ano de 2017, nosso protagonista está sentado tranquilamente em sua mesa, na sala de aula, quando repentinamente ao olhar de relance para a porta, ele percebe alguém entrando, mais especificamente uma garota, uma linda garota, que instantaneamente desperta o encanto de Giovane. Vale lembrar que naquela época, ele era um garoto de 13 anos, sem nenhuma preocupação além de vídeo-games e estudos, mas tudo aquilo estava prestes a mudar. Naquele momento, ele havia descoberto o amor, que muitas vezes pode ser comparado à uma benção ou maldição. Ao ver a garota de nome desconhecido entrar, Giovane logo ficou surpreso com tamanha beleza, porém no momento não fez muita coisa. Apenas voltou aos estudos e tentou não pensar muito naquilo, porém era quase impossível, a cada conta que fazia, a cada texto que lia, a imagem da garota continuava a aparecer em sua cabeça. O que era muito ruim, considerando o fato de Giovane sempre dar muita importância aos estudos, aquilo estava o atrapalhando. Mas logo o nome da garota foi revelado: Sabrina. Giovane ouvira a professora dizer esse nome na chamada e viu a garota responder.
Não demorou muito para ele se dar conta do que havia acontecido. Ele sabia que estava sob o efeito da droga mais poderosa que existe: O Amor. E para o amor não existe cura, apenas o tempo, que foi justamente o que decidiu fazer: dar um tempo e ver o que acontecia. Giovane Não tinha ideia de como os eventos se desenrolariam dali em diante, não sabia o quanto sofreria pensando nela.
Passado algum tempo, cerca de 3 meses, e o amor de Giovane por Sabrina continuava aumentando, como uma fogueira que é atiçada pelo vento. No entanto, uma dúvida ainda pairava sobre sua cabeça: O sentimento era recíproco? Sabrina via Giovane com outros olhos? Ele não sabia, e isso estava o enlouquecendo.
Um mês depois do acontecimento anterior, ele havia pensado em uma maneira de acabar com suas dúvidas, era o único modo que nosso protagonista havia pensado: Falar à Sabrina sobre seus sentimentos. Porém, Giovane era um garoto extremamente tímido, o que deixava essa hipótese quase impossível. Ele tinha medo de contar o que sentia e não ser correspondido, ou ainda pior, ser ridicularizado pelas pessoas ao redor da escola. Chega o fim do ano e Giovane não havia conseguido se declarar. "Meu Deus, mas e se ela não estiver aqui o ano que vem? " Pensava.
2018, início do ano. E para sua surpresa, ele estava na mesma sala que Sabrina. Seria o destino dando uma segunda chance a ele? Talvez. E como dito anteriormente, seu amor não diminuía, apenas crescia dia após dia. Nosso protagonista tem 14 anos agora, muito mais maduro, certo? Errado! Ele continuava com uma ideologia de " deixar o rio fluir ", ou seja, não fazer nada e deixar que o destino cuidasse do resto. Claramente essa tática não deu certo. Porém, Giovane possuía um amigo chamado Marcos, cujo qual se dava muito bem com as mulheres. E fui justamente a ele que Giovane foi pedir ajuda. E acontece que Marcos era realmente bom no que fazia, e milagrosamente conseguiu fazer Sabrina se aproximar consideravelmente de nosso protagonista, que estava pensando sobre a vida e as decisões que havia tomado e aparentemente não interagindo com Sabrina, o que fez Marcos aparecer e talvez ter causado o maior arrependimento da vida de Giovane. Ou não? Marcos chegou conversando com ambos e acabou deliberadamente por falar que Giovane estava apaixonado por Sabrina, o que deixou nosso protagonista completamente paralisado, como se tivesse visto um fantasma, sem nada para dizer, como se tivesse visto a morte cara-a-cara. E Sabrina pareceu incrédula do fato, tanto que até se levantou da cadeira na qual estava sentada e estava se dirigindo a seu lugar, quando Marcos a parou e tentou argumentar com ela, mas nada parecia dar certo. Enquanto isso, nosso protagonista continua sentado imóvel na mesma posição que havia começado a conversa. Passados cerca de 3 minutos, Sabrina chega à mesa de Giovane e pergunta:-O que aconteceu?
-Nada. Diz Giovane
-Você está com cara de bravo. Foi alguma coisa que eu fiz?
-Não, não foi nada.
E Sabrina sai daquela mesa e volta para a dela.
A partir daquele dia, Giovane se tornou outra pessoa, alguém completamente novo. Ao invés do garoto alegre e piadista de sempre, ele havia se tornado alguém quase depressivo, não falava quase nada, passava horas parado pensando na vida, não fazia mais tantas piadas. Até o dia 10 de agosto de 2018, quando ele decide que não vale mais a pena sofrer tanto por conta de falta de coragem. Na escola, durante a aula de geografia a lição era fazer um mapa-múndi e foi o que nosso protagonista fez, porém Marcos tinha um plano para ambos ganharem nota apenas com o esforço de Giovane, que aceitou ajudar já que poderia precisar de algum favor de Marcos algum dia. E foi um plano, absurdamente bem bolado, executado com maestria e finalizado com êxito.
Na noite daquele mesmo dia, Giovane decide cobrar a ajuda que ofereceu à marcos. Mandou uma mensagem para ele e combinou que iriam executar um plano para que nosso guerreiro Giovane tivesse a coragem de se declarar à belíssima donzela Sabrina. Marcos a convenceria a segui-lo e passaria por um local combinado, onde Giovane apareceria e abriria seu coração para ela, acabando de uma vez por todas com isso, do jeito bom, que Giovane sairia com uma namorada e se livraria de sua tristeza ou do modo ruim, que era o que Giovane achava mais provável, onde ele seria completamente rejeitado e jogado à depressão para sempre, porém esquecendo de Sabrina. Nada poderia impedir esse plano de funcionar.
Exceto uma coisa: O esquecimento de Marcos que não conseguiu atrair Sabrina até o local combinado, o que fez com que Giovane saísse vagando pela escola envolto em seus pensamentos, e andando sem parar, para praticar pelo menos de alguma maneira, algum exercício, contudo ao fazer a volta na escola várias e várias vezes, no caminho Giovane se deparava com Sabrina andando com uma amiga e seu namorado, e durante algumas dessas vezes ele pôde ouvir claramente a amiga de Sabrina dizer: " quem quer catar a Sabrina? " Duas vezes na mesma hora em que ele estava passando e ainda ouviu mais uma última vez: " Ela está se doando ". Giovane estava começando a ligar os pontos, tudo começava a fazer sentido em sua cabeça. A vontade dele era alterar o curso de sua caminhada e abrir seu coração a ela, porém se fizesse isso, ele estaria desperdiçando um favor de Marcos, então Giovane Simplesmente continuou sua jornada de volta à sala de aula. Ele estava prestes a descobrir o significado de tudo que aconteceu.
No final daquele dia, Giovane decidiu perguntar à marcos se ele havia se esquecido. E de fato ele havia, no entanto se ofereceu para fazer o mesmo plano no dia seguinte. Giovane concordou.
Terça-feira, 14 de agosto de 2018, nosso protagonista vai para a escola apreensivo pensando em como vai ser, no que ele vai dizer..., mas durante a aula de história, nosso herói percebe que Sabrina estava muito impressionada com o professor novo. Estaria ela realmente afim do professor? Ou seria apenas uma brincadeira? Ele não sabia e isso o deixava apreensivo. Na próxima aula, a de matemática, a professora havia mudado Sabrina de lugar. E coincidentemente, o lugar que ela foi designada era bem perto do lugar de Giovane. Seria esse o destino colaborando mais uma vez para que tudo desse certo em sua vida?
No recreio, tudo estava combinado com Marcos. Só lhe restava sair da sala e seguir com o plano. Acontece que um amigo de nosso protagonista, conhecido pelo codinome Sem Mão, decidiu segui-lo e ver o que aconteceria e como acabaria. Giovane conta o plano à Sem Mão, que fica impressionado e diz que aquele plano era como fazer roleta russa com 5 balas. No entanto, Marcos demorou muito para fazer o plano e quando fez, não fez corretamente: Ele simplesmente disse para Sabrina que Giovane gostaria de conversar separadamente com ela, enquanto nosso protagonista apenas passava por ela e ia direto ao banheiro, pois estava muito tenso. Acaba o intervalo e Giovane se dirige à sala de aula. Na última aula, logo em seguida da de educação física, todos voltam para a sala e se preparam para a aula de matemática e provavelmente a coisa mais inesperada desse livro acontece: Ele pensando na vida como sempre, consegue ouvir Sabrina e Vinícius, um outro colega de sala, discutirem sobre voltar ao lugar anterior deles, e de repente ouve ela dizer que aquele lugar era bom porque ela conseguia ter uma boa vista de uma coisa. Instantaneamente nosso protagonista percebeu que essa "coisa" era nada mais nada menos que ele mesmo, até porque em certo momento dessa conversa ele pôde perceber Vinícius responder: Do G? Que foi logo respondido com uma resposta de Sabrina: Por que você não grita logo de uma vez?! Seguido disso, Vinícius em tom de brincadeira, aumenta levemente sua voz e repete a frase anterior. A teoria das cinco balas de Sem Mão acabara de ser refutada, pois com essas informações, suas chances aumentaram consideravelmente, deixando a arma com apenas uma bala. Estava muito claro para Giovane que Sabrina aparentemente gostava dele, mas não queria que isso fosse exposto. Passado certo tempo da aula, mais uma vez Sabrina diz que é um bom lugar e que ela consegue observar muito bem essa "coisa" e foi respondia por Vinícius: Mas do seu lugar anterior, você também consegue ver. E logo veio a resposta: Sim, mas daqui eu consigo ver mais de perto, logo esse lugar é melhor. Ele sabia que, ou se tratava dele ou de algum de seus amigos que sentavam perto, e estava bem convencido de que se tratava dele. Nesse momento, Giovane estava pulando de alegria por dentro, mas por fora só se via sua expressão mais comum: a de indiferença. Ninguém simplesmente olhando, poderia saber a felicidade que residia dentro de Giovane naquele instante. Ele foi para casa se sentindo renovado e feliz, só não voltou saltitando por motivos de masculinidade. O que aconteceria depois?
No dia seguinte, Giovane não foi para a escola. Ele havia ido ao médico, e como o sistema de saúde do Brasil não é dos melhores, não conseguiu voltar a tempo de ir para a escola. Ainda nesse dia, pela primeira vez ele decide tirar seu bigode e por incrível que pareça, se achou mais bonito e se sentiu deveras confiante em sua jornada. Por volta das 18 horas, conversa por mensagens com seu amigo Sem Mão e lhe conta sobre o que havia descoberto ouvindo aquela conversa, e para desanimar um pouco nosso herói, Sem Mão diz que o "G" mencionado na conversa, poderia ser de Gustavo, outro aluno da mesma sala, mas Giovane prefere acreditar que ela se referia a ele. Logo em seguida, começa a conversar com Marcos, que também fica ciente da situação e diz:
- Ela está brincando com você, cara...
- Não, estou tão confiante que apostaria cinco reais que ela não está brincando!
- Cinco reais? Apostado então! Mas para você ganhar, ela tem de deixar explícito que aceita você. Assim como para eu ganhar, ela deve deixar explícito que rejeita você.
- Claro.
Giovane não possuía cinco reais, nem sabia onde conseguir, mas estava confiante.
16 de agosto de 2018, nosso protagonista aparece na escola e diferentemente do último dia, não parecia tão tenso, parecia até mesmo confiante do que iria fazer. Logo Marcos apareceu:
- Está fechada a aposta de hoje?
- Com certeza!
- Você sabe que vai perder, né?
- Certamente que não, estou tão confiante que nem trouxe o dinheiro, como sinal de que sei que não vou falhar! – Cada frase que nosso protagonista falava, era dita com convicção.
- Se está tão confiante assim, suba a aposta para dez reais!
Giovane pensou por alguns segundos. Ele não tinha esse dinheiro em mãos, mas para mostrar confiança à Marcos e a si mesmo, subiu a aposta.
- Feito!
No instante que disse isso, o sorriso malicioso que habitava o rosto de Marcos fora substituído por uma expressão de espanto. Não podia acreditar que nosso herói estava tão confiante. Porém, durante toda essa conversa na aula, Marcos decide contar à professora de ciências sobre a aposta, e para a surpresa de ambos, ela havia achado uma aposta interessante.
15:30, havia chegado a hora do intervalo, a hora da verdade. Quando pôs o pé para fora da sala de aula, soube que duas coisas importantíssimas estavam em jogo: Seu futuro amoroso e dez reais, que podem não parecer muito, mas na época que o país estava... Ele achava que seria fácil, mas estava muito enganado, pois quando estava fazendo o reconhecimento do melhor lugar para a abordagem, pôde sentir sua perna fraquejar. Depois de dar algumas voltas na escola e consequentemente acabar encontrando com Sabrina no caminho, ele havia achado que estava pronto e quando foi procurar seu alvo em movimento, não o encontrou, no entanto, logo descobriu que ela estava sentada, com sua amiga já mencionada anteriormente. Não havia mais escapatória, teria de se declarar na próxima volta e podia sentir seu coração bater cada vez mais forte ao se aproximar do local. Infelizmente, ao chegar e estar preparado, se depara com mais 4 garotas conversando com Sabrina e sua amiga, o que fez nosso herói alterar o curso e ao invés de parar, acabou seguindo sua trajetória comum. Faria na próxima volta, não importava o que acontecesse, porém, ao chegar novamente e ver que só estavam ela e sua amiga sentadas, não conseguiu. Era como se uma força desconhecida o impedisse.
Bate o sinal para todos voltarem para suas salas de aula e nosso protagonista entra e percebe que teria uma aula vaga, e logo seu lamento em não ter conseguido se declarar, se tornou em forças para tentar agora que não haviam tantas pessoas lá fora. E mais uma vez não conseguiu, até que Sem Mão propõe um desafio: reproduzir um desenho de seu amigo Raul, um cara vidrado em desenhar, e Giovane aceita, pois ficar andando e se lamentando não era a melhor atividade. Chegando onde Raul estava, Sem Mão explica o desafio, porém, por algum motivo Raul pega uma folha e corta em duas, dando uma parte para Sem Mão e outra a si mesmo. Giovane não se importa. Na verdade, parecia não se importar com mais nada depois de ter fracassado em conversar com uma garota. Sem Mão reproduz um desenho de um homem com terno roxo e gravata que Raul havia feito. A única diferença, no entanto, foi que sua reprodução ficou parecendo o cruzamento de um desenho de uma criança sem talento com um feto malformado em um pote com formol. Após isso, aparentemente Sem Mão ficou tão entediado quanto nosso protagonista e decidiu voltar a andar, quando de repente veem Marcos e o namorado da amiga de Sabrina tentando tirar a namorada de Marcos e a amiga de Sabrina de um banco no qual estavam todas sentadas. Giovane pensou que poderia ser Marcos querendo ajudá-lo a conseguir, mas qual seria sua motivação além de perder dinheiro? E eles conseguiram tirar as garotas do banco, deixando Sabrina sozinha, que decidiu levantar e começar a andar, mas nosso herói não pensou em abordá-la, simplesmente não tinha a coragem para isso. E acontece que ele era um cara muito corajoso quando se tratavam de brigas e tudo mais (até enfrentou um bando de garotos que estavam o incomodando uma vez), mas quando se tratava de garotas, ele não sabia o que fazer. Depois disso voltou para a sala a tempo de acompanhar as duas últimas aulas de geografia. Contudo, no final da última aula, Marcos veio conversar com nosso herói:
- E aí cara, cadê meus dez reais?
- Eu não falei com ela, logo não tomei um fora, o que significa que eu ainda fico com meu dinheiro.
- Porra, cara. Qual a dificuldade? É só chegar lá e falar " eu estou afim de você, vamos ficar juntos? " E acabou.
- Se fosse tão fácil assim, eu já teria feito há um ano e oito meses atrás...
- Mas é fácil!
- Não para mim. Me falta coragem.
Então Marcos decide tomar uma abordagem mais agressiva.
- Olha lá a bunda dela como é grande! Você não quer ter isso?
Giovane continuava dizendo que não tinha coragem.
- Olha lá, o cara foi dar tchau para ela e passou a mão na bunda dela! E ela ainda deu risada! Você vai deixar o cara fazer isso com sua futura esposa?
O sangue de Giovane fervia, como se ele mesmo fosse explodir a qualquer momento, mas ele era um cara calmo e conseguiu se manter normalmente apenas dizendo " calma e tranquilidade " a si mesmo enquanto Marcos dizia:
- Se amanhã você não conseguir, você vai ter de dizer para todo mundo que você é um merda e eu sou superior!
- Okay, já me considero um merda normalmente...
Mas aquela conversa lhe deu forças para o que ele faria no dia seguinte.
Dia 17 de agosto de 2018, nosso herói está prestes a sair de casa, enquanto seu pai assistia tevê, e de relance, pôde ver a notícia mais bizarra que já havia visto em toda a sua vida: " Homem-Aranha do crime " que aparentemente era um ladrão que escalava prédios tão bem que recebeu esse nome.
Chegando na escola, pronto para fazer um trabalho de artes, acaba descobrindo que haveria outra aula vaga, já que sua professora tinha faltado, o que o deixou feliz e enraivecido. Quando já havia saído da sala e estava andando pela escola, começa a falar com Sem Mão desse livro que está sendo escrito agora mesmo.
- Vai ter muita coisa nesse livro!
- Essa conversa também?
- Provavelmente, já que eu vou colocar qualquer coisa que pareça insignificante o suficiente no lugar de alguma informação que seria crucial, ou seja, essa conversa vai direto para ele.
- Bem, isso não seria meio que...
- Um Inseption muito foda!
- Eu ia dizer quebra da quarta parede, mas Inseption também está valendo.
- Não é bem uma quebra da quarta parede. Eu só estaria fazendo isso se eu dissesse: " Ei, você aí que está lendo esse livro, como é que você está? "
- É, realmente...
Ao andar, se deparava algumas vezes com Sabrina andando com Marcos e outra pessoa não apresentada anteriormente: Kauã. Em algum momento, Marcos tentou parar Giovane o empurrando e lembrando que ele tinha de concluir sua tarefa naquele dia, ou então seria um fracassado.
- Você tem até hoje para conseguir.
- Veja bem, meu amigo, até a meia-noite ainda é hoje.
E essa foi uma sacada bem esperta, tenho que admitir. Enfim, nosso protagonista continuou andando um pouco até que...
- Giovane! Chega aqui! – Disse Marcos aos berros sentado em um local perto de uma árvore.
- Porra... – Disse Giovane.
E foi andando até chegar a ele.
- Que foi, cara? – Perguntou em tom de desânimo.
Eu preciso que você tire uma foto.
" Uma foto? " Pensou Giovane, achando que poderia ter um esquema armado por Marcos.
- Ok, vamos lá!
E foram caminhando em direção à uma outra parte da escola. Quando chegaram, nosso herói se pôs em posição e segurando o celular de Marcos, estava pronto para fotografar. Enquanto olhava para a tela do celular, podia ver Sabrina e sua beleza, ao mesmo tempo que pensava " Caralho, eu sou um merda meu irmão! " E tirou a foto. No entanto, o que não sabia, é que quando já ia se retirando do local, Marcos o chamou e disse:
- Não, cara. A gente só quer que pegue essa parte da parede.
- Ah, ok.
E novamente estava em posição observando Sabrina pela câmera, e logo tirou outra foto. E dessa vez, conseguiu voltar à sua rota sem ser chamado mais uma vez. Andava e andava, sem rumo, sem destino, sem coragem, quando com sua super audição pôde ouvir Sabrina discutindo com Marcos, atrás dele.
Ouvindo isso, ela decide desafiar Marcos para uma briga, e ele logo se acovarda. Como Giovane, ele não tinha coragem. Quanta hipocrisia, não é mesmo, caro leitor? No entanto, ele logo teve uma ideia.
- Vai lá e usa essa raiva no Giovane!
E Giovane continuava andando na frente apenas ouvindo essa conversa, quando foi chamado.
- Giovane! Chega aqui!
E lá ele foi conversar com ele.
- O que foi dessa vez?
- A Sabrina quer te dar um soco.
Mas ela não queria.
- Não, eu não vou! – Disse ela.
- Por que não? – Perguntou Marcos
- Porque eu estou com raiva de você, não dele!
Mas depois dessa breve conversa, Giovane notou um olhar de Sabrina dirigido ao nosso herói. Sabrina realmente teria olhado para ele da forma que imaginava? Ou só estava ficando louco? Descobriria tudo isso em breve...
Dia 18 de agosto de 2018, sábado, por volta das 22:30 da noite Giovane é contatado por Marcos com uma mensagem:
- E aí, cara?
- Opa.
- Tudo beleza, cara?
- Tudo de boa.
- Então, cara... eu acho que você perdeu a aposta.
- Não, pois a aposta não tinha prazo. A única coisa que tinha prazo era eu dizer que sou um merda e a sexta já passou, então você foi enganado...
- Aí é que está, meu amigo quem está se enganando é você mesmo. O único que está sofrendo por amor é você.
- Sim, mas ainda assim, a cada dia minha coragem vai aumentando...
- Não se iluda meu pobre amigo. Esse seu coração não merece sofrer!
- Eu estou apenas contando os fatos.
- Não ame aquela garota, ela não merece você.
- Se fosse tão fácil assim... E você não vai me fazer desistir, porque sou brasileiro e brasileiro não desiste nunca!
- Entendo, apenas não quero que sofra por algo que não tem futuro.
- Eu já sofri para caralho, eu tentar isso não vai aumentar a dor que eu sinto por não estar ao lado dela.
- Você realmente quer isso, não quer?
- Sim, porra!
- Para que você possa ver que eu não estou mentindo. Eu nunca disse isso para você, porém... eu realmente não tenho nada para fazer.
- Etcha porra!
- Sim, essa foi a única palavra que você nunca me ouviu dizer.
- E qual seria? – Perguntou Giovane apenas para ver Marcos admitindo que estava tão perdido quanto ele.
- Eu não sei o que fazer.
- Ca ra lhou.
- Por conta dela, não tem muito o que fazer.
- Isso mostra que é um caso absurdamente difícil.
- Sim, porém não impossível.
- Até porque nada é impossível, exceto o Palmeiras ganhar um Mundial. Isso é impossível.
- Kkk verdade. Como eu já vi que você não vai desistir da Sabrina...
- Certamente que não.
- Eu vou pelo menos tentar ajudar.
- Que bondoso.
- Porém, como nada na vida é perfeito, eu vou usar minhas técnicas...
- Caralho. Tenho trauma dessas técnicas.
- Pode apostar! Até porque, eu aprimorei elas...
- Acho bom mesmo, kkk
- Porém não foi para um lado bom! Foi para um lado mais extremo.
- Puta merda.
- Eu já pensei no que vou fazer. Funciona muito em filmes e novelas.
- Diga-me.
- Vou trancar vocês dois, em algum lugar sozinho.
- Caralho. – Giovane já sabia que aquele plano não iria funcionar, porém decidiu ouvir até o fim.
- Vai ser perfeito. Você vai ver, aí é por sua conta. Na verdade, a parte mais difícil sempre vai ser para você.
- Eu estou com um certo medo do que pode acontecer.
- Ela pode falar tudo que sente por você, ou ela pode ficar de fato com você.
- Ou pode não acontecer nada.
Depois de um tempo de conversa Marcos se convenceu de que seu plano não era dos melhores. Até que disse:
- Eu te ajudo e você me ajuda. Eu te ensino o que sei, e você o que sabe...
- O que exatamente você precisa?
- Eu quero saber como você pensa tanto e quero saber como você é tão concentrado, etc....
- Caralho, sério?
- Sim.
- Ok, aqui vai. Não tem segredo: Você só tem que pensar que sua vida dependesse daquilo. Mas, o lance de ser pensativo, acho que é porque eu não tenho muito o que fazer, apenas pensar.
- Ótimo!
- Espero ter ajudado.
- Ajudou sim, muito obrigado. Agora o que você precisa?
- Fora o lance da Sabrina, nada.
- A melhor opção seria chegar nela em alguma hora em que ela estivesse sozinha ou falar que é uma conversa em particular.
- Sim, o lance é que eu preciso de coragem.
- Quer saber, você transmite confiança. Algo que eu queria muito transmitir.
- Só reprimir suas emoções e mostrar nos momentos mais cruciais.
- Como assim?
- Você nunca sabe se eu estou feliz ou triste, certo?
- Certo.
- Mas as minhas emoções mudam. Tudo que eu faço é mostrar o que eu quero que os outros vejam: A minha cara de indiferença de sempre.
- Porra.
- É basicamente só isso.
- Valeu, cara.
- Você me ajuda muito, estou retribuindo.
- Muito obrigado. Mesmo, cara.
- Não há de quê.
Dia 19 de agosto de 2018, Marcos envia uma mensagem por volta das 21:00 para Giovane:
- Cara, estamos na mesma situação. Eu me apaixonei e ela não dá bola para mim. Fudeu, eu me apaixonei. Isso não é natural no universo.
- Vamos conversar.
- Fudeu.
- Você se fodeu.
- Sim, Fudeu. Eu me apaixonei e isso não é normal da porra da natureza! Eu sou Marcos Ribeiro, não posso me apaixonar!
- Agora sente o que eu sinto há quase dois anos. Não é fácil quando é com você, né?
- Literalmente não. Mano, ela é maravilhosa e não me dá bola. Nem com meus truques e experiência não consigo.
- Você sabe que se eu conseguir ficar com a Sabrina e você não pegar essa mina, o mundo deu uma puta volta.
- Sim.
- Algo de errado não está certo.
- Nem um pouco. Mas, mano ela é perfeita! Pensa na Sabrina e multiplica por 20.
- Impossível!
- Juro.
- Para mim não existe nenhuma garota na face da terra que se compare à beleza da Sabrina. Acho que o amor faz isso...
- Mano, Fudeu. Eu me apaixonei. Pera aí...
- Eu poderia ser muito cuzão e não ajudar, mas você tentou me ajudar, então farei o que puder.
- Pronto. Não sou mais apaixonado.
O amor não é brincadeira de criança, é coisa séria e não se livra do amor tão rapidamente. E Giovane sabia disso, então ou Marcos não estava apaixonado desde o início, ou ainda estava apaixonado ou talvez estivesse inventando tudo aquilo.
- Ata kkk.
- Sério, passou. Eu me controlei.
- O amor vai e vem como uma montanha-russa.
- Não. Não comigo.
E foi então que nosso herói se preparou para fazer um dos melhores discursos de todos os tempos.
- Você pode ter esquecido agora, mas vai pensar nela de novo. E aí fodeu. Mas, se tem uma coisa que eu aprendi é que você tem que insistir...
- Não. Foda-se.
- ... até não ter mais forças. Você não vai esquece-la, apenas aceite o destino. Se você não tentar, alguém vai e você vai ficar muito arrependido. Então você não vai desistir, porra! Logo você, o cara que me incentivou a correr atrás da Sabrina, não pode simplesmente desistir. Essa pode ser a mulher da sua vida, então você teria que ser muito burro para deixar de tentar. E é por isso que você vai correr atrás dela.
Esse foi um puta discurso. Foi tão bom que parece que foi redirecionado a si mesmo e deu forças para ele fazer o que faria amanhã.
Dia 20 de agosto de 2018. O que nosso herói fez? Nada! Até tentaria falar com Sabrina, mas o problema é que não a via. Ficou todo depressivo por passar mais um dia sem conseguir e foi para casa. Chegando lá, sente uma certa fome e decide fazer uma omelete. Uma coisa que deve ser dita anteriormente, é que independente de quanta pimenta do reino colocasse, não conseguia sentir a picância que deveria. Fazendo a omelete, coloca pimenta do reino e seus dedos ficam sujos. Logo vem seu pai, com uma má intenção.
- Lambe a pimenta aí para você ver que não arde quase nada.
Giovane confiava em seu pai então provou e por um segundo pensou " nossa, não arde mesmo ", mas estava muito enganado e arrependido, pois depois de dizer isso, pôde sentir sua língua queimando como carvão em brasas, então pensou " vou tomar um copo de leite e estará tudo resolvido ", acontece que no momento a caixa de leite que estava na geladeira, havia acabado e Giovane teve que esperar cerca de trinta segundos de pura dor e sofrimento até conseguir abrir outra caixa de leite.
Esse pequeno conto não interfere em nada nossa história, mas achei que deveria ser compartilhado.
Quinta-feira, 23 de agosto de 2018. Nosso herói já está na escola durante a terceira aula, esperando o sinal para o intervalo. Ao ouvi-lo, Giovane, como sempre, começa a andar em voltas, porém, mais uma vez se depara com Sabrina, mas dessa vez ela não está andando, e sim parada com algumas garotas, o que eliminava completamente a possibilidade de tentar fazer seu plano, então apenas segue seu caminho. Voltando para a sala, ele não sabia, mas sua vida que já era depressiva, estava prestes a ficar pelo menos três vezes pior, por um tempo. Ao entrar e sentar em sua cadeira, pôde ouvir Yasmin, sua prima, dizer claramente que era um cupido, logo em seguida Sabrina conversa com alguém que ele não conseguira identificar, mas ouve a seguinte frase durante a conversa " Eu virei e dei um beijo na mina ". Naquele momento, não sabia o que fazer. Seus olhos começaram a lacrimejar como se estivesse cortando um milhão de cebolas enquanto um anão tailandês chicoteava suas costas. Sentiu que todo o sentido de sua vida havia acabado, sentiu-se como se o chão que estava aos seus pés havia desabado. Para esconder sua tristeza de todos e de si mesmo, Giovane adotou um comportamento bem agressivo, mas enquanto conversava com Marcos ouviu-o dizer:
- Vamos fazer uma aposta amanhã. Tipo os gringos jogam pôquer e apostam salgadinho essas coisas, já a gente que é fudido aposta bala. A gente poderia, sei lá, jogar algum jogo de azar tipo pôquer, truco...
- Eu toparia um truco. – Disse nosso protagonista.
- Ok, então amanhã todo mundo traz bala para apostar e a gente joga um truco.
Chegando em casa, de noite, Giovane decide contar a seus amigos sobre o motivo de ter ficado tão furioso a partir do intervalo, exceto por uma parte que ele não conseguia parar de rir como se fosse um retardado " Bebidas Xabás ". E ao contar para Semeão, ele recebe um discurso motivacional quase tão bom quanto o que havia feito para Marcos.
- Giovane, sabe o que você precisa?
- O que?
- TVNC
- Wtf?
- Tomar vergonha na cara.
- Porra, semeon.
- Criar coragem e ir.
- Sim. Só preciso do meu bigode, ele me transmite segurança.
- Não deixe que coloquem o dedo na sua cara e digam quem você é!
- Minha autoestima começou a subir...
- Virou mó conversa motivacionap. Maldito correto. R.
- Maldito analfabetismo!
- Cara, você é o cara!
- É bizarro que eu nunca pensei que não conseguiria por falta de coragem, mas sim por rejeição.
- Você vai conseguir. Se tiver a lábia mais do que perfeita, você é imbatível!
- Sim, eu só preciso chegar nela.
- E puxar um bom papo.
- Com puxar um papo, você deve saber que eu vou chegar fazendo a proposta.
- Hum, é mesmo?
- Se a porra do Marcos tivesse seguido o plano...
- Então quando você chegar nela, já sabe...
- Agora tenho que ir.
- Vou recobrar o favor do Marcos, mas falous.
- O Kauã está mandando eu jogar com ele.
- Olha só, escravatura, mas falous.
Naquele mesmo dia, ele cobrou o favor e Marcos concordou em ajudar.
Dia 24 de agosto de 2018, na escola durante a primeira aula que deveria ser de artes, mais uma vez é uma aula vaga. Ao andar com Sem Mão e Raul, como sempre nosso herói se depara com Sabrina sentada com algumas amigas. Dando algumas voltas, durante uma delas, ao passar pelo grupo de garotas, nosso protagonista consegue ver claramente Sabrina olhar diretamente para ele por cerca de três segundos. E não era qualquer olhar, era um olhar tão certeiro que não havia a possibilidade de ela estar olhando para algum outro lugar. Esse fator somado às informações que Giovane havia conseguido ouvir ao longo do tempo, lhe dava uma chance de 99% de Sabrina estar afim dele.
Feliz para cacete, depois que a aula vaga acaba, volta para a sala e vai fazendo as lições até chegar a última aula de geografia. Todos haviam se lembrado do que Marcos havia combinado sobre o truco. Mas ninguém trouxe um baralho.
Depois de tudo isso, com sua confiança, nosso herói faz uma das coisas que mais se arrependeria em sua vida, ele decide aumentar a aposta que havia feito com Marcos para 20 reais. Se ele conseguisse, seria ótimo ganhar esse dinheiro, mas Giovane não pensou no caso de não ganhar a aposta, pois estava cego pela ganância do dinheiro fácil. Marcos aceita a proposta e dessa vez foi mais esperto por ter colocado um prazo de dois dias na aposta.
Durante alguns dias, nada de tão importante acontece que deva ser mencionado nesse livro. Isso até o dia 30 de agosto de 2018...
Giovane decide que pediria Sabrina em namoro durante o recreio, mas para isso precisaria da ajuda de Marcos, que concordou em ajudar depois de certas negociações.
É chegado o intervalo e a tensão estava subindo, até porque agora além de Sabrina, 20 reais estavam em jogo, e nosso herói não tinha nem perto disso...
Giovane anda durante o recreio procurando Marcos e acaba o encontrando.
- Então, cara... agora seria uma ótima hora para aquela ajuda...- Disse nosso protagonista.
- Ah, sim claro, claro... A gente só precisa encontrar a Sabrina...
E lá se vão Marcos, Giovane e Thiago (Não o Sem Mão) procurando a garota. Até que Marcos tem uma genial ideia (sem sarcasmo).
- Giovane, faz o seguinte: fica ali na árvore que eu vou ver se eu encontro ela e chamo-a aqui.
Nosso herói concordou com a cabeça e foi se dirigindo à árvore. Chegando lá, não parava de pensar o que iria dizer, até que de relance, consegue ver Marcos caminhando com Sabrina em sua direção. Eles haviam chegado.
- Então, o Giovane tem um negócio para te falar...
"É agora", pensava Giovane. Não havia mais escapatória.
- É então, é sobre o lance que eu ia falar ontem... Sabrina eu sou absurdamente afim de você, e você sabe disso, então... quer namorar comigo?
- Então... no momento eu não estou disponível..., mas se quiser a amizade, estamos aí.
Ele se sentia arrasado, detonado, zuado, fudido, quebrado.
Aquelas palavras ecoaram na cabeça de Giovane, que agradeceu a Sabrina por ter cedido seu tempo e foi embora andando. Por incrível que pareça, ele se sentia libertado. Triste, porém, libertado.
E nossa história termina aqui com um final não tão feliz(ou será que não?).
E com essa finalização, eu agradeço por ter tirado um tempo do seu dia para ler isso.
submitted by YareYareDaze007 to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.07.19 06:39 the_big_d_himself Medo e (falta de) amor próprio

Pela primeira vez na vida posso afirmar que sou feliz. Mais que isso, posso afirmar que estou contente de modo geral com a minha vida. Que me sinto satisfeito por eu ser quem eu sou. Que eu não preciso me odiar e que tenho feito um bom trabalho, apesar de tudo. Mas ainda assim, nesses últimos tempos tem havido uma inquietação na minha alma. Anseio por aquilo que todo humano necessita: amor e carinho. E confesso que já cansei de tentar me convencer de que isso é algo que eu não preciso; que é só uma ideia boba que logo mais passa pra nunca mais voltar. Preciso ser sincero e admitir que é algo que eu quero. E daí que não é algo que eu preciso? Também não preciso viver, mas cá estou, não é mesmo? Porque eu quero viver e não quero morrer. E eu quero amar e ser amado.
Mas por que tanto receio em admitir isso? Por que foram-se anos e anos numa tentativa falha de se convencer que você estava acima da necessidade de jogar esse jogo? Por que a recusa em insistir que você é humano? Por medo. Medo da rejeição. Medo de confirmarem essa sua suspeita de que você não tem nenhum valor e que não merece ser amado. E aí você se isolou, afinal, dói menos desistir do que tentar falhar, não é mesmo? Não é mesmo? Claro que não, que ideia estúpida. Tentar e falhar é uma coisa completamente normal! E por que justo você, que está tão acostumado com a falha, passou a temer com tanta intensidade o medo da falha no amor? Por que o medo de ser rejeitado por outras pessoas quando você não tem o menor medo de tirar zero numa prova, de ser perder, ou de cair e se machucar? Medo de confirmarem que você não tem valor e que não merece ser amado? Mas você vê outras pessoas falhando amorosamente, assim como vê outras pessoas errando em todas as outras áreas da vida. E nós dois sabemos muito bem que isso não significa que elas não tem valor; por que significaria isso justo para você? Tudo bem, não precisa dar uma resposta concreta. Eu não te culpo. Eu não me culpo. Eu claramente vivi boa parte da minha vida com uma visão equivocada de mundo, e isso me prejudicou em certos aspectos. Paciência. Felizmente para isso há remédio, assim como pra quase tudo nessa vida. E de agora em diante eu me recuso em ter medo de tentar, seja lá o que for. Mais que isso: me proponho ativamente a mudar minha situação. E se não der certo, paciência. Se eu morrer amanhã, não vou ficar mal por saber que nunca tive uma namorada. Mas vou ficar mal por saber que fui bobo a ponto de não tentar por medo de falhar. Por ter deixado um medo bobo, que eu sei que não faz o menor sentido, tomar o melhor de mim. E não quero chegar ao meu fim, olhar pra trás, e pensar que deveria ter feito as coisas de maneira diferente. Não mais. Eu sinto necessidade de ter alguém, eu quero ter alguém, e eu vou tentar ter alguém. E se eu falhar, não tem problema. Contanto que eu possa deitar a cabeça ao travesseiro toda noite, contente comigo mesmo por saber que eu tentei, vou ficar feliz.
Mas como? Pergunta complicada, vamos tentar de novo.
Mas como não? Ah, isso já é bem mais simples. Não tenha autoestima; a maneira mais fácil de fazer com que ninguém te ame, é com você também não se amando. Se olhe no espelho todo dia e enumere todos seus defeitos, afinal, eles te tornam um subhumano, não é mesmo? Quer dizer, claramente ninguém além de você tem defeitos. Não é mesmo? Bote na cabeça que não vale a pena tentar porque não daria certo de qualquer jeito. Mas não ouse citar medo como justificativa —afinal, ninguém gosta de ter medo— e ao invés disso, tente dizer para si mesmo que é melhor assim para todo mundo; que é menos incômodo. Diga para si mesmo que está fazendo um grande favor ao mundo ao não tentar; que todos estão melhor assim, com a situação atual das coisas. Sinta pena, muita pena de si mesmo: todo mundo precisa sentir algo a respeito do seu próprio eu, e pena não é tão ruim quanto ódio —a pena não vai te causar e repulsa eventualmente e te forçar a fazer algo— mas ainda assim é algo que vai te deixar completamente inerte. Em suma, bote na cabeça que você é um ser sem o menor valor; que sua existência é tudo que há de mais ruim no cosmo, e que não importa o que você faça, você nunca será digno. E voilà, assim fica fácil jamais arranjar alguém.
submitted by the_big_d_himself to desabafos [link] [comments]


2019.06.21 22:29 toukeny Depressão

“Você precisa se afastar do que te faz mal”, as pessoas falam. Mas e quando o que me faz mal é eu mesmo?
Me afogo em músicas tristes, sei que isso me corrói, mas ao mesmo tempo é reconfortante saber que outras pessoas passam pelo que eu tô passando
Tento me anestesiar e preencher o meu vazio com bebidas e até mesmo com cigarros, coisa que eu odiava há um tempo... mas pra um deprimido solitário, um cigarro na boca é tipo uma válvula de escape, cada trago me leva pra um paraíso efêmero, com um momento rápido de prazer. E não, eu não tô romantizando o cigarro, inclusive se eu pudesse dar um conselho para as pessoas, seria: fiquem longe dessa porra que é o cigarro, se for pra fumar, fumem maconha que é melhor e não faz tanto mal para os pulmões.
Eu sinto que a vida não faz sentido, não faz sentido eu acordar amanhã e viver o mesmo sofrimento que eu vivi hoje, eu queria não acordar. Não tenho uma motivação pra acordar.
Viver pra mim é um castigo, um castigo longo que eu pago por ter nascido. Eu não queria ter nascido. Pra que nascer e ser um bosta depressivo que não tem talento nenhum, e que ainda por cima é um fardo na vida das pessoas? Passo o dia todo deitado, só dando gastos pras pessoas aqui de casa. Isso não faz sentido. Nada faz sentido. Eu me sinto cansado de estar cansado.
Essa porra tá afetando até a minha higiene pessoal, não sinto mais vontade de me depilar, pensar em levantar da cama pra tomar banho me cansa, já dormi várias noites sem escovar os dentes. O caminho da cama pro banheiro me parece longo, me parece cansativo.
As pessoas falam pra eu fazer um esporte, ler um livro, caminhar, como se fosse tão fácil... e eu me sinto ainda pior por não conseguir fazer uma coisa que parece tão simples pra todo mundo.
A única coisa que me anima de levantar da cama é sair pra beber e fumar, pois igual eu falei ali em cima, me sinto anestesiado.
Me sinto culpado por tudo, me sinto culpado até por me sentir feliz em alguns momentos, como por exemplo, quando tô bêbado. Eu acho que não mereço estar feliz, acho que eu não sou aquela pessoa que tá feliz, sei que só fico feliz porque estou bêbado. Me sinto culpado por sair e beber com meus amigos, eles não merecem ficar perto de alguém que transmite essa energia negativa que eu transmito.
Me sinto culpado por ainda não ter me matado, as pessoas devem pensar que eu só quero atenção. Afinal, só acreditam que você tem depressão quando se comete suicídio. E já que eu ainda não cometi, devem achar que eu não tenho porra de depressão nenhuma.
Procuro motivos pra sair da minha cama e melhorar a minha auto estima, não acho. Nenhum motivo é bom o suficiente pra eu querer continuar vivendo. Minha ex namorada me largou, minha situação financeira é ruim, moro de favor, não tenho um emprego, sou só mais um ser humano insignificante e insuficiente que só faz peso na terra, que não agrega em nada. Eu sei que preciso reagir, mas eu sou fraco, eu tô perdendo pra depressão.
Resolvi buscar ajuda tarde, quando já estava no fundo do poço. Errei, como de costume. Agora não sinto melhora com o tratamento, estou cogitando em parar de tratar.
Sei que não parece, mas falar sobre isso pra mim é foda, escrevendo esse texto eu senti vontade de me matar umas 3 vezes. Inclusive, eu tô planejando isso há um tempo. Não vai ser nenhuma novidade se acontecer um dia.
Com tantos caras melhores pra ela levar, pq a depressão escolheu um cara igual a mim?
submitted by toukeny to desabafos [link] [comments]


2019.06.04 03:23 lucius1309 FOGUEIRA (QUASE) APAGADA

Não me considero uma pessoa ruim. Já fui, mas hoje não me considero ruim. Vejo em mim um garoto ainda imaturo tendo que me forçar a amadurecer diante das situações que a vida me oferece.
Não há escolha.
Tudo o que faço é porque eu, a vida ou os dois me colocaram nessa situação. No meu tempo livre, ouço discos, bato textos e vejo seriados. Nada demais, nada fora do comum.
Talvez eu ainda sinta falta de quando eu fazia as coisas fora do comum.
Noitadas irresponsáveis, putas, bebedeiras, drogas, música alta, brigas em bares, roupas rasgadas, carteiras perdidas, celulares roubados, vômitos em sarjetas, roubos de garrafas de 51 que estavam em encruzilhadas, mendigar álcool de posto porque não tinha dinheiro pra beber, pontadas no fígado, problemas de visão turva, nariz sangrando todos os dias pelo excesso de cocaína, falta de responsabilidade com as pessoas que um dia me amaram, descrédito nos empregos, etc etc etc.
Tudo era muito pesado, mas eu conseguia lidar bem. Talvez eu sinta falta disso, por mais que eu lembre de todo o sofrimento. Sempre acreditei que o homem mais perto do buraco era o mais criativo, o mais real, o que mais tava apto pra construir uma bomba atômica ou descobrir a cura do câncer. Quanto mais desespero, melhor.
Isso não passa de um comportamento auto destrutivo que minha cabecinha doente gosta de alimentar. Alimenta noite e dia, praticamente todos os dias. Mas por enquanto tenho ficado calado, andado na sombra, chutando pedrinhas e guardando dinheiro, transando quando dá e fazendo churrascos regados a refrigerante com os dois únicos amigos que sobraram. Não posso falar que a vida está ruim, mas a sensação de vazio talvez ainda esteja presente de forma muito intensa.
Gosto de pegar o carro e correr acima da velocidade. Sei que não é o mais correto, sei que isso não se faz, mas é uma forma de adrenalina. Adrenalina que antes era em excesso, e agora beira o absurdo de nada. Eu deveria fazer um esporte radical, correr de moto num autódromo ou pular de paraquedas. Ou eu deveria dar um tiro na minha cabeça e acabar com tudo num momento de fraqueza.
Quem pode me dizer que eu estou errado?
Tenho dois sentimentos pelo ser humano, oscilam entre apatia e nojo, no geral é apatia, e dependendo da situação é nojo, muito raramente gosto de alguém, mais raramente ainda amo alguém. Não faço isso por mal, eu só não consigo sentir falta das pessoas quando elas se vão. A presença delas é na maior parte das vezes, indiferente. Vivo sozinho e não consigo chorar, faço comida quando chego do trabalho e levo a vida pacata e bem demais.
Ao menos acredito que bem demais. Uma "família" indiferente me fez uma pessoa indiferente. Bingo! Temos a resposta.
Se caísse uma bomba atômica e só restasse eu, eu ficaria muito bem.
Não tiro a razão do assassino em vários casos que vi.
Talvez o erro tenha sido ler muita coisa pessimista na adolescência, me isolar e começar a beber todos os dias em que acordava de ressaca. Ouvir música violenta e raspar a minha cabeça. Minha cara magra e chupada de tanto cheirar cocaína entregava que eu estava num caminho sem volta. Agora ganhei uns quilos, me olho no espelho e grandes merdas. O ser humano de antes permanece ali.
Ele não foi embora, ele só mudou.
E eu odeio mudanças. Tenho medo de mudanças. Quando criança, mudava demais de casa, consequentemente de escola, de amigos, de quarto, de mobílias e de situações sociais. Sempre odiei isso.
Tenho receio de mudar, mas infelizmente preciso.
Minhas explosões ainda ocorrem, só que geralmente eu, na condição de homem adulto que mora sozinho e paga suas contas, posso xingar as paredes de casa, mandar tudo se fuder e transparecer calma nas situações mais delicadas. Acreditem ou não, meu segredo para parecer o cara mais são da face da Terra, é ser completamente insano quando estou sozinho. É xingar tudo o que eu quiser xingar. Já imitei gatos miando, às vezes ainda imito, mas agora tô mandando o mundo tomar no cu.
E ninguém sabe disso.
Talvez nunca ninguém vá saber, e assim é infinitamente melhor.
A vida nunca vai estar boa o suficiente pra mim, por mais que ela beire a perfeição, porque é claro que o problema não está na vida ou nas pessoas, está em mim. E esse meu problema parece não solucionável em 99% das vezes que penso nele. Parece um resto de fogueira, quase apagada. Mas existe aquele 1%, uma brasa, uma fagulha, que insiste em se manter de pé, e que pode ser a solução.
De 100 futuros possíveis, somente em 1 deles a minha vida pode dar certo. (É, eu sei, peguei essa referência ridícula do filminho de herói. Que aliás, nem assisti.)
Me agarro em minhas incertezas e vejo brilho nos meus olhos uma vez por mês, e geralmente nesses dias eu procuro ser uma pessoa melhor, saio na rua e sorrio pras pessoas, peço licença, digo obrigado, desculpas, pode passar, entre outros comportamentos bem educados que mamãe me ensinou antes de se afundar inicialmente numa garrafa de vodka e posteriormente numa depressão. Não a julgo, eu também não aguentaria viver 20 anos com meu pai mandando ver e depois 10 anos comigo pegando pesado (ambos usando todas as drogas possíveis e imagináveis).
Ainda existe uma chance, eu sei disso. Enquanto houver vida há esperança. As porradas da vida te fazem mais forte. Os ensinamentos da vida são dolorosos, mas te amadurecem. Deus é fiel!
Abasteci o texto com cinco frases motivacionais pra que você tire a arma da boca e vá assistir uma série comendo doritos e tomando coca-cola. Espero que funcione pra você, leitor, porque pra mim não está funcionando. Mas o Tool ficou de lançar um disco novo dia 30 de agosto. Eu ainda não cansei de ouvir Pink Floyd. Quem vai alimentar os gatos que subitamente aparecem? A boa e velha máquina de aliviar sofrimentos ainda está em pleno funcionamento, e por isso, eu permaneço aqui. Enquanto houver teclas e textos, haverão dores pra serem aliviadas, e por isso permaneço aqui.
Sem viagra, sem aditivos. Sem cachaça. Tudo fruto da minha tão aclamada habilidade literária (rs), que literalmente já fez eu desistir de me matar.
Vamos lá.
Certa vez eu realmente estava decidido a morrer, eu tinha 22 anos e tava cheirando e bebendo pra caralho, não via fim naquilo, não havia dinheiro, amigos e nem namoradas, eu estava sozinho em casa e comprei uma corda forte para me enforcar. Pendurei a corda numa viga e fiquei olhando ela. Fui beber pra tomar coragem pra fazer a coisa e comecei a escrever, escrevi um conto de umas oito páginas falando justamente de um jovem bem sucedido que estava decidido a se matar (e conseguia). Fiz uma puta conexão do texto com as letras do Dark Side of the Moon (num viés altamente filosófico/sociológico) e gostei muito do que li. Olhei a corda na viga, a desamarrei e decidi que naquele dia eu não faria nada.
Todos têm seus motivos pra continuar respirando. Pois é, eu também tenho o meu. E você acabou de ler ele.
submitted by lucius1309 to desabafos [link] [comments]


2019.04.20 04:05 roybatty_2049 Me sinto completamente desconectado da minha família. Não consigo lidar com como tudo mudou desde a chegada do meu padrasto

Olá, Brasil.
Sou lurker aqui do grupo há um tempo e, no meio de tantos desabafos com os quais esbarro aqui, decidi fazer o meu também. É algo que me deixa envergonhado e só dividi com uma ex-namorada que tive (com a atual nunca comentei) mas que me machuca bastante por razões estranhas. Bem, vou começar pelo fato em si: eu me sinto completamente separado da minha família, que eu vejo hoje como completamente irreconhecível e da qual não consigo me sentir parte de forma alguma. A culpa disso é do meu padastro, que não fez absolutamente nada de errado. Na verdade, ele é um cara bem maneiro, segundo a percepção geral. Até minha. E eu tenho total noção de que essa ausência de qualquer sensação de pertencimento é mais minha do que de qualquer outra pessoa.
Vou contar a história de forma cronológica, para vocês compreenderem.
Minha mãe e meu pai me tiveram bem jovens, ambos tinham 20 e poucos anos. Combinada, a situação financeira dos dois não era ruim. Meu pai e minha mãe passaram para concursos públicos de nível médio com salários de classe média quando tinham 19/20 anos. Como conseguiram essa estabilidade financeira jovens, decidiram casar. Meu pai biológico tinha um emprego melhor, minha mãe tinha um com uma remuneração menor como assistente administrativo.
Só que, quando eu tinha 2 anos (ela 23, ele 25), eles se separaram. Não foi uma separação amigável, na verdade foi bem caótica. Meu pai começou a fazer faculdade de Direito e o acordo na casa foi de que, uma vez terminada a faculdade dele, minha mãe faria um curso superior. Os dois fazendo trabalho + faculdade ao mesmo tempo não tinha condição, até porque tinham um filho.
O problema é que o casamento desandou. Meu pai traiu minha mãe, depois não cumpriu esse acordo de deixá-la fazer faculdade e ficava postergando, arrumando desculpas. Com o diploma de Direito, ele eventualmente conseguiu passar em um concurso bem melhor e com um excelente salário. E se divorciou da minha mãe tão logo recebeu a notícia de que tinha passado no concurso.
Houve um acordo para pensão de forma informal, mas meu pai vivia o descumprindo, atrasava. Dava um jeito de humilhar minha mãe sempre que faria o pagamento. Isso fez com que ela desistisse de cobrá-lo e eu tive uma infância bem braba: mãe trabalhando, dinheiro escasso, meu pai completamente sumido e a família da minha mãe é muito pequena, então tinha pouca gente para ajudar na criação. Minha mãe é filha única, minha vó materna tem uma saúde extremamente frágil já há algum tempo e meu avô materno a abandonou. A família do meu pai e meu pai nunca mostraram interesse na gente, era como se a gente fosse um acidente de percurso.
Minha mãe ganhava pouco, mas ao menos tinha a estabilidade de um serviço público. Por isso, conseguimos morar numa casa que fica na entrada de uma comunidade extremamente violenta na cidade onde vivemos, tinha uma boca de fumo braba a literalmente 200 metros da minha casa. Não dava para brincar na rua nem nada, nem tinha play.
Criança é criança, então na escola até que minha vida era tranquila. Mas, em casa, minha vida era muito ruim. Minha mãe tentava equilibrar o trabalho full-time comigo, então a casa vivia sempre bagunçada, a alimentação era ruim e não havia luxo. Era uma casa de um quarto só, então nem privacidade rolava direito e eu dormia na sala ou com a minha mãe no quarto. Tudo na casa era meio velho e eu sempre tinha a sensação de que morava numa casa inacabada.
Não faltava comida, mas o resto era bem escasso. Ganhava muita coisa de segunda mão, não tive videogame ou PC, não tinha muito programa na rua porque a grana era pouca e no bairro onde a gente morava as opções públicas eram muito ruins. Minha mãe tinha depressão. Na época, eu não entendia, mas hoje fica bem claro para mim. Várias vezes eu via ela chorando antes de dormir, ou sem forças para fazer nada o dia todo. E ela engordou bastante nessa época.
Essa merda toda me fez ter um carinho enorme pela minha mãe. Eu fiz questão de aprender a lavar louça, cozinhar, ir no mercado e na escola sozinho. Já com uns 10/11 anos, eu era mais independente do que muitos amigos que eu tenho hoje em dia. E isso fez a gente ficar muito próximo como mãe e filho. Não vou mentir, a nossa vida era bem triste, humilde e solitária. Mas nós tínhamos um vínculo de proximidade muito forte e eu me sentia na responsabilidade de tirar ela desse buraco, de ajudá-la.
Aí vem o plot twist inesperado, meu padrasto.
Meu padrasto conheceu minha mãe na adolescência, eles foram amigos por uns anos e depois do segundo grau acabaram perdendo contato completamente. Eles se esbarraram por acaso resolvendo problema em cartório. Ele quis se aproximar, os dois começaram a trocar mensagens pela internet (sim, na época inda era Orkut e MSN) e engataram um relacionamento.
Preciso aqui inserir um parêntese para que vocês entendam que tipo de pessoa é o meu padrasto. Estou falando de um cara bem inteligente, com quase 1,90 de altura, forte para caralho e rato de academia, só que mais calmo do que um monge tibetano e bem sucedido financeiramente e profissionalmente (não era ricaço nem nada, mas tinha uma vida bem confortável). Quando ele aparecia para pegar a minha mãe na nossa rua, parecia que um ator de TV tinha aparecido, a vizinhança inteira parava para vê-lo. Eu mesmo ficava chocado com a situação de tão estranha que era.
Até porque a mulher por quem ele estava nitidamente apaixonado era a minha mãe. Uma mulher bem acima do peso, deprimida, com um emprego ferrado e que morava na entrada de uma comunidade, mãe solteira. Não estou falando que ela não merecia ele ou coisa do tipo, mas era uma situação muito peculiar.
Eu sempre ficava esperando que ia dar uma merda muito grande. Que a gente ia descobrir que ele é um agiota (e eu sabia o que era um agiota porque um vizinho nosso se meteu com um e não foi bonito), um bicheiro, um golpista, qualquer coisa do tipo. Mas não. O cara era realmente aquilo tudo.
Quando o relacionamento ficou mais sério, foi a vez da pequena família da minha mãe e seu círculo de amigas no trabalho ficarem apaixonadas por ele. Todo mundo queria saber mais sobre ele, todo mundo queria conhecer e bater um papo, todo mundo queria pegar dicas de exercício e alimentação, todo mundo queria ouvir a opinião dele sobre alguma coisa, política, negócios. Era bizarro, eu acho que nunca vi alguém cativar tanta gente com tanta facilidade antes.
Eu gosto de comparar ele ao Gastão da Bela e a Fera, só que um bom Gastão, obviamente. Todos esses anos com a minha mãe, eu não vi praticamente nada que o desabonasse, muito pelo contrário. Ele ate ajudou muito ela. Ela recuperou a auto-estima, começou a praticar exercícios físicos, emagreceu e parecia ter rejuvenecido. Sério, minha mãe com 35 tinha cara de 50. Minha mãe com 39 tinha cara de não ter 30. Chega a ser chocante ver as fotos (e meio chato começar a conviver com amigos que acham sua mãe gostosa, mas isso é outro problema).
Ele até tentou, de maneira bem tranquila e respeitosa, se aproximar de mim. Eu tava no meio da adolescência e até deixei no começo, mas eu continuava achando quela situação muito estranha, continuava vendo aquilo como uma intrusão. Eu gostava dele, mas tudo parecia meio irreal.
Aí veio a merda: eu passei para uma faculdade em outro estado.
Nesse período de pouca conexão com a minha família, a sensação foi de que essa sensação de estranheza só aumentou.
O sonho do meu padrasto era ter filhos. E eles tiveram duas meninas. Se mudaram para um belo apartamento em um bairro de classe média alta da cidade. Minha mãe abandonou o emprego público dela e passou a administrar uma franquia que ele comprou para ela. E muito disso rolou enquanto eu estava fora. Toda vez que eu voltava para casa, parecia que tinha rolado uma revolução.
Adendo importante aqui: talvez chamem isso de frescura racial, mas vamos lá. Meu pai era negro, minha mãe parda ou morena clara, como preferirem. Eu sou negro. Meu padrasto é branco em outro nível de brancura, as duas filhas que ele teve com a minha mãe são bem brancas também. Pode parecer besteira, mas isso aprofunda ainda mais essa sensação estranha de não pertencimento. Eu me sinto o cara negro que caiu de para-quedas na casa de uma família de comercial de margarina.
E às vezes eu tenho a sensação de que o meu passado não existiu. Todo esse período de infância e boa parte da adolescência - de perrengue, de roupas herdadas de terceiros, de ir num mercado fodido sozinho enquanto minha mãe tava no trabalho, de ter a luz cortada algumas vezes, de nunca sair com os amigos da escola, de ter só minha mãe como companhia, de viver num bairro quebrado - parece que não aconteceu. É algo tão distante que parece um sonho mesmo.
No meio disso tudo, eu voltei para a nossa cidade depois de terminar a faculdade já tem um ano e me sinto completamente não-pertencente a minha casa. Eu mal reconheço a minha mãe (que agora administra muito bem essa pequena franquia, virou crossfiteira e tem uma animação de outro mundo), minhas irmãs me viram pouco até agora porque passei a maior parte do tempo em São Paulo, e meu padrasto, apesar de sempre tentar se aproximar, parece essa figura que "causou" tudo isso.
Eu não sou idiota nem mesquinho, eu sei que ele é um cara maneiríssimo, trouxe felicidade para a minha mãe, ajudou ela a se reencontrar e é bem correto. Mas, ao mesmo tempo, eu tenho sempre a sensação de que ele roubou minha família de mim. Que parte da minha identidade se perdeu quando minha família se tornou algo completamente diferente com o que eu estava acostumado.
Eu me sinto extremamente frustrado de não ver minha família como família, e sim uma mãe que mal reconheço, um padrasto do qual não sou próximo e duas meninas que parecem viver uma vida completamente diferente da que eu vivi e que possivelmente vão passar pouquíssimos perrengues na vida.
O tempo todo, eu só penso em meter o pé de casa, mas sei que isso não vai resolver tudo. Mas eu queria muito ver a minha família como um ninho, como conforto, como um lugar onde você vai quando tá com problema ou para desabafar. Mas hoje eu me sinto completamente desconectado deles, o que me deixa puto, triste, vazio e frustrado.
E o pior de tudo: eu sei que eu estou errado. Mas eu sinto que roubaram a família que eu tinha. E nem preciso dizer que o almoço de hoje em família só aprofundou mais isso.
submitted by roybatty_2049 to brasil [link] [comments]


2019.03.25 14:11 Lv35Boss Meu Problema com a Bebida

Pra começar, eu não sou um cara bem normal da cabeça. Tenho Transtorno Obsessivo Compulsivo, fui diagnosticado enquanto ainda era criança e tomei medicamentos durante toda minha vida. As coisas foram ficando melhores, e meu psiquiatra foi diminuindo minha dose aos poucos, até esse ano eu finalmente não precisar mais de medicamento.
A história que vou contar é sobre uma experiência muito ruim que tive ontem. Para explicar ela, preciso começar no sábado passado. Fui com minha namorada num churrasco dos amigos dela e bebemos muito, misturando de todas as bebidas que tinham. Tive que chamar um Uber pra nos levar porque estávamos muito bêbados, principalmente ela. Fomos pra casa dela, onde eu tive que pegar a chave dela na sua bolsa e carregá-la até o quarto.
Chegando no quarto dela ela vomitou e ficou gritando para que eu não a deixasse. Limpei o vômito dela e dormimos abraçados. No dia seguinte estava com uma ressaca muito brava, me levantei pra ir no banheiro, mas no caminho perdi o controle do meu estômago e vomitei na porta do quarto mais de um litro de líquido alcoólico misturado com comida. Aproveitei que ela estava dormindo pra limpar o lugar com cloro. Quando ela estava desperta perguntei se ela precisava que eu ficasse cuidando dela, o que ela negou, e então pedi um Uber pra república onde eu moro.
Chegando, passei o dia estudando, ainda com muita ressaca. O problema é que pela noite comecei a sentir ansiedade, coração acelerado e tremedeiras, além de um medo muito forte de perder o controle e fazer alguma bobagem. Tentei dormir e ignorar, mas a ansiedade foi muito forte, então avisei pros meus colegas de quarto o que estava sentindo. Eles sugeriram que eu desse uma caminhada, mas minhas pernas estavam tremendo e eu tinha medo de cair. Então pedi pra deixarem a luz ligada, e um me preparou soro de água com açúcar e sal. Senti também muito frio nas pontas dos dedos. Falei com eles que ia ficar assistindo algo que me distraísse no Youtube até ficar tão cansado que eu teria que dormir. Fiquei até as 2 da madrugada assistindo Castro Brothers, e aí peguei o celular e fiquei na cama ouvindo podcasts com um volume bem baixo até eu conseguir dormir. Acordei hoje ainda com um pouco dessa ansiedade, e me obriguei a comer apesar da falta de apetite. Dei uma caminhada de uma hora e agora estou escrevendo isso. Acho que vou ter que visitar meu psiquiatra na minha cidade, e perder algumas aulas.
Depois dessa nunca mais bebo, e dessa vez é sério.
submitted by Lv35Boss to brasil [link] [comments]


2019.02.19 03:42 lonelymoon2 sou viewer do matta e darei minha opinião feminina (reflexão)

Olá matta e comunidade, eu sou uma viewer sua de um bom tempo já, tenho 21 anos e depois de ver o vídeo que você postou no YouTube sobre a discussão de ontem me veio à cabeça alguns pontos e quero expor um pouco a minha opinião feminina um pouco diferente da que você viu ontem.
Eu sou uma garota que está nesse meio de computador e jogos online faz MUITO tempo, comecei no FPS onde é tudo bem mais pesado se percebem que você é mulher, então eu aprendi a lidar com isso. Como eu consegui fazer isso? Sendo melhor que todos os homens que jogavam comigo/contra eu, sim, eu já presenciei inúmeras situações onde mandaram eu lavar louça e me chamaram de ruim, a questão, matta, é que eu não me sinto nenhum um pouco ofendida com isso porque eu era muito melhor do que a galera que jogava comigo, quando eu realmente fiquei muito boa e dava um ''pau'' em todos, nunca mais fui desrespeitada, ainda sim existiam os babacas... mas sabe quando te ofendem por uma mentira e você LITERALMENTE não liga porque é mentira?
Eu não acho que seu emote sobre a lulu seja machista ou incite o machismo e também não entendi porque a garota que conversou com você ontem se sentiu ofendida por dizer que a maioria das meninas jogam de lulu, eu não entendo até que ponto a realidade pode se tornar ofensiva. Assim como ressaltei ali em cima, se é mentira, você não vai ligar. Diferentemente de esportes físicos, LoL é um jogo que exige mais da mente do que de qualquer aspecto físico, e cientificamente falando (eu sou bióloga então vou falar alguns aspectos evolutivos), as mulheres têm muita capacidade de múltiplos focos, algo que é bastante exigido no LOL, é um ótimo ponto que justifica que não existe NENHUMA diferença...
Mas porque não existem mulheres no competitivo? → porque simplesmente não existe garota high elo (que não seja low challenger) e se destaque, ''poxa... mas você tá sendo machista'', bom, então olhe o top 10 e me fale quantas são garotas? Como isso pode ser consertado? ESFORÇO. Representatividade/visibilidade não vai levar ninguém ao top 10, esforço sim. Se ainda sim, quem tiver lendo isso achar que visibilidade contribui contra o machismo, olhe o exemplo do campeonato russo e me pergunte se eu me sinto representada, a resposta vai ser NÃO.
A discussão de ontem foi vergonhosa da parte da gabruxona, nós mulheres, não precisamos de LACRAÇÃO, precisamos de MUDANÇAS, enquanto as meninas que jogam LoL continuarem na sua medíocre zona de conforto jogando de Janna e suportes dando Shield pra um hypercarry, isso NUNCA vai mudar. Se você mulher (a maioria esmagadora das e-girls de twitter) acha que não é preciso parar de jogar com o que curte pra mudar isso, bom... eu acho que as meninas devem jogar com o que quiser, mas também não deve ligar caso encaixe no esteriótipo já que ela claramente se encaixa nele. Se você mulher, não gosta de ser estereotipada e QUER MUDAR ISSO, seja diferente, não seja mais um pouco do mesmo, se você fala sobre a causa, SEJA A CAUSA mesmo que abrindo mão de gostos pessoais.
1º: parar de aceitar duo com amiguinho high elo, sendo homem ou mulher, isso é duo boost (job)
2º você mulher, suba sozinha e prove que é boa, você vai se destacar positivamente
3º qualquer tipo de preconceito infelizmente às vezes não é combatido no diálogo, é combatido na prática, se você mulher fica ofendida sobre ser chamada de jobada e main janna, não seja e pronto.. SIMPLES, não tem porque se ofender caso chamem disso.
Se você mulher, aceita ser submissa a homem, mesmo que um amigo, indo duo e portanto ser jobada, é hipocrisia você falar sobre machismo no lol sendo que você mesma contribui pra isso (isso é uma opinião totalmente pessoal minha, se não concordarem ok).
Aonde está o problema? NAS ORGANIZAÇÕES! O problema começa na org que bota menina diamante pra jogar com o high elo e ser stompada pra prejudicar ainda mais a imagem feminina no eSport, o problema também começa quando o patrocínio, as atenções, de preferência vão pras meninas diamante 3, com visual padrão e namorada de pro player, enquanto por exemplo meninas como a primata ficam aí recebendo um total de 0 atenções.
Sobre a gabruxona: tentativa falida de lacração. Vejo no twitter dela que ela quer muito visibilidade pela gameplay, acho isso MARAVILHOSO sendo mulher porque é exatamente o que eu busco. Mas acho muita HIPOCRISIA ela se objetificar nas mídias sociais e estando plenamente ciente do mundo machista e que com certeza vão assistir porque ela é muito ''gostosa'' ela continua. Se você NÃO QUER esse tipo de viewer, não atraia, daí vocês podem me falar ''ela é dona do seu próprio corpo pode mostrar tudo se quiser'', SIM!!!!!! ELA PODE!!! Mas se ela realmente tá lutando pela causa existem alguns esforços pessoais a serem feitos mesmo que ela queira, se ela busca viewers preocupados e focados em gameplay, que ela deve agir totalmente focada nisso, mesmo que ela queira os dois (gameplay e exibição), às vezes não dá, e tá tudo bem, deve ser colocado numa balança, o que é mais importante pra ela? Fazer as pessoas assistirem porque realmente gostam dela e da gameplay, ou porque ela usa um grande decote? :) Queria muito que desse pra fazer os dois, mas o mundo é muito machista pra isso e só vamos conseguir mudar isso começando mudar por dentro, por nós mesmas.
Por fim, mulheres, o matta nunca desrespeitou vocês, eu assisto TODOS OS DIAS a stream dele e ele mesmo dá o maior apoio para que mulheres consigam seu espaço (sozinhas e muito bem resolvidas com qualquer que seja o campeão), se você se sente ofendida porque ele identifica lulu à você, se você curte o campeão, continue jogando e vc não se sentirá ofendida, se não curte, joga de outra coisa. Não existe mudança sem esforço, não existe ofensa se não há fundamento.
E, sinceramente, se eu curto o jogo, eu muto todo mundo e jogo, se eu não quero ser incomodada por ser mulher, não vou deixar explicito que sou mulher. A impressão que eu tenho é que essa grande massa feminina que começou a jogar LoL não sabe lidar com a comunidade de jogos online e tão mais preocupadas com a opinião dos outros do que com o jogo mesmo. Por que a maioria não consegue jogar sem chat?
Enfim, obrigada pela atenção... opinião de uma viewer mulher.
submitted by lonelymoon2 to mattayahu [link] [comments]


2018.12.26 08:26 korbenRipley Resumo da minha vida

Eu vim de uma cidade pequena, meus pais são pessoas conservadoras e relativamente bem de grana. Eles tem uma empresa na qual eu trabalhei por 6 meses (primeiro emprego e único CLT da minha vida). Sai desse emprego por desentendimento, principalmente por essa característica deles que citei, conservadorismo. Cheguei a fazer dois semestres de direito e mais um de administração, resolvi que vida acadêmica não era pra mim, voltei a trabalhar então. Consegui um emprego de garçom no qual fiquei 3 meses e desse, pulei para atendente numa livraria. Enquanto eu trabalhava como atendente também passava umas paradas boas pra uns amigos, se é que me entendem... Era o que mais me dava dinheiro, sem dúvidas. Um belo dia percebi que vender essas paradas me rendia mais grana e parei de trabalhar como atendente, virei vendedor de paradas oficial por tempo integral, isso me rendeu uma boa grana por um tempo e alguns sustos com os homens da lei. Mas nunca nada sério a aconteceu. Depois de 6 meses agindo nas margens da lei comecei a querer mudar de vida, peguei a grana que consegui juntar e fui me decepcionar mais uma vez na vida acadêmica. Para felicidade de muitos, migrei pra área de TI, fiz ADS. No 3° semestre consegui um estágio e comecei a aprender de fato como são agências de publicidade. Uma loucura total com prazos merdas e um pessoal que quer sempre da um jeito de colocar na bunda dos outros o problema. Nesse meio tempo a minha namorada engravidou da minha filha, que já tem 1 ano hoje. Desde então minha maior preocupação é ter sempre uma grana guardada pra ela em uma poupança que por um bom tempo foi realizado, mas hoje em dia não anda sendo mais tão fácil. Eu e minha namorada investimos em uma empresa na qual acreditamos que vá nos dar um bom lucro assim que terminar de se pagar. Temos uma parcela pra cada mês de 2019, sendo que a maior parcela é no final do mês de janeiro. Hoje eu continuo na empresa de publicidade, na qual não estou irregular a 3 anos (sem PJ nem CLT), ganhando somente por horas trabalhadas, sem teto salarial, então quanto mais feriado no mês menos eu ganho, não tenho 13°, férias e nem adicional de hora extra. Não consigo receber um aumento, sempre que converso com meu chefe sobre ele vem com o papinho de que esse ano foi ruim e tudo mais. Fiquei de saco cheio disso e no começo do mês fui procurar outro emprego que pra minha surpresa não ofereceu muito mais do que eu já recebo... Tirando os pontos de que eles são regime PJ, não tem teto, adicional por hora extra, o dobro de distância da minha casa,... Em resumo, vale mais a pena eu ficar na empresa que eu já estou, o problema é que eu preciso ganhar mais pra conseguir bancar minha dívida com a empresa que tenho com minha namorada. Qual a solução? Vou buscar emprego com as únicas pessoas que me assinaram a carteira nessa vida, meus pais. Sinceramente achei que nunca mais iria precisar trabalhar com eles de novo ou voltar a morar nessa cidadezinha. Mas a vida é uma caixinha de surpresas. Vou propor hoje uma oferta de salário, eles provavelmente vão querer negociar e eu vou aceitar qualquer coisa que seja acima do meu salário atual, até por que vou voltar a morar com eles e não vou ter contas a pagar, vou ganhar o dinheiro limpo pra pagar essas dívidas e de quebra com um CLT maroto. Os principais problemas dessa solução é que eu não vou conseguir passar a semana com a minha filha e minha namorada, vou vê-las só aos finais de semana, por conta do trabalho em outra cidade, meu coração chega a apertar só de pensar que não vou conseguir acompanhar o crescimento dela de perto por um ano inteiro.
Enfim, desculpem se ficou grande, muito fora de contexto e embaralhada a história, mas queria dar um background inteiro dos eventos que aconteceram na minha vida.
EDIT: Fiz uma contraproposta e deu certo, não vou precisar sair da mesma cidade da minha mulher e filha e talvez consiga reservar uma grana pra pagar as contas que está por vir!
submitted by korbenRipley to desabafos [link] [comments]


2017.11.29 20:20 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 3

Galera, finalmente postando a última parte da saga. Depois de pensar para caralho, resolvi falar com ela pelo Facebook e marcamos de nos encontrar num café pertinho da praça onde nos esbarramos. Para quem não conhece a história desde o começo:
Parte 1 - TL/DR: sou casado, reencontrei uma garota por quem eu era apaixonado há 12 anos e só nesse reencontro eu percebi como eu fui um imbecil com ela. Em resumo, nós éramos grandes amigos, eu fiquei com medo de me declarar, meti o pé do curso de inglês que fazíamos sem dar nenhuma explicação e desapareci completamente da vida dela.
Parte 2 - TL/DR: comecei a me perguntar se aquela garota que eu reencontrei realmente era ela, já que ela parecia tão mais velha. Depois de dezenas de tentativas, achei ela no Facebook e sim, realmente era ela. Descobri que um amigo meu já tinha saído com uma prima dela há muito tempo e soube que ela teve uma vida bem escrota, foi abandonada por um marido meio babaca e agora basicamente vivia só pelo filho na casa dos pais.
Parte 3 - Taí. Nos reencontramos. Foi uma experiência que eu não sei classificar. Foi feliz, foi triste. Foi amargo, foi doce. Foi impressionante. A gente chorou um pouco junto. Escrevi um pouco ontem à noite e terminei hoje de manhã.
Só queria agradecer a todos os conselhos e dicas que recebi aqui. Reencontrar alguém do passado é uma coisa que mexe muito com a gente, faz com que nosso coração se sinta naquela época novamente. Essas quase três semanas foram muito estranhas. Foi quase uma viagem no tempo por coisas que eu achava já ter esquecido completamente. Infelizmente não posso dividir muito disso com amigos próximos, então fica aqui o desabafo.
Esse último ficou mais longo do que eu esperava. Honestamente, a gente conversou tanto que acho que resumi até demais. Como da primeira vez, fiz em formato de conto. Novamente, obrigado a todo mundo que deu um help nessa história, que finalmente se fechou.
Era um café bonito. Novo da região, era um daqueles negócios em que você vê o coração de um sonho do dono. As mesas rústicas de madeira, as lâmpadas suspensas que desciam do teto em fios de prata, como teias de aranha tecidas por vagalumes. O quadro negro cuidadosamente preenchido com os preços e até desenhos estilizados de alguns pratos. No fundo, um jazz instrumental marcava presença de forma tênue. Também era um daqueles negócios que você sabe que não vai durar muito. Que você bate o olho e pensa: “com essa crise, é melhor eu dar um pulo lá antes que feche”.
Eu presto atenção a cada detalhe ao meu redor. À roupa preta das atendentes, ao supermercado do outro lado da rua que vejo pela vitrine. Aos clientes que entram e saem de uma loja das Casas Pedro. Eu não quero esquecer de absolutamente nada. Era um ritual meu que fiz pela primeira vez aos 14 anos. Sempre tive boa memória, mas naquela época eu me esforcei para colocá-la inteiramente em ação. Era um verão e eu estava prestes a reencontrar uma prima que, anos atrás, fora minha primeira paixão. Ela nos visitava de anos em anos e, três anos após trocarmos beijos juvenis debaixo do cobertor, ela havia acabado de chegar à casa dos meus avós, onde se hospedaria.
Naquela noite, eu não consegui dormir. Por volta das 4h da manhã, peguei meu cachorro e caminhei 15 minutos em meio à madrugada até a casa da minha avó. Não, não fui fazer nenhuma surpresa matinal ou pular a janela em segredo. Eu apenas fiquei do outro lado da rua e observei tudo ao meu redor. “Eu vou lembrar desse reencontro para o resto da minha vida”, pensei, do alto dos meus 14 anos. “Eu quero lembrar de cada detalhe”.
E até hoje eu lembro. Da rua cujo chão estava sendo asfaltado, mas onde metade da pista ainda exibia os bons e velhos paralelepípedos. Das plantas da minha avó balançando ao vento, o som singelo dos sinos que ela mantinha na varanda e davam àquilo tudo um clima quase de sonho. Do meu cachorro, fiel companheiro que viria a morrer dois anos depois, sentado ao meu lado com metade da língua para fora. Do frescor da madrugada que precedia o calor inclemente das manhãs do verão carioca.
Mas não é dessa memória - e nem dessa paixão - que eu falo no momento. Eu falo dela. Dela, que eu reencontrei depois de tanto tempo. Que eu julgava já ter esquecido. Que, apenas mais de dez anos depois, eu percebi que tinha sido um babaca ao desaparecer sem qualquer despedida. Mesmo que ela jamais tivesse segundas intenções comigo, mesmo que fosse apenas uma boa amiga, eu havia errado. E aquela era o dia de colocar aquilo, e talvez mais, a limpo.
Foram três semanas de tortura comigo mesmo. Desde que achara seu perfil no Facebook e ouvira de um amigo em comum notícias de uma vida triste, seu rosto não me saía da cabeça. Ao menos uma vez por dia, eu pagava uma visita ao seu perfil e mirava aqueles olhos. As fotos, quase todas ao lado da mãe e do filho pequeno, tinham um sorriso fugaz encimado por olhos dúbios, tristes. Eles lembravam-me de mim mesmo. “Você tem um olhar de filhote de cachorro triste, por isso consegue tudo que quer”. “Você parece feliz, mas sempre que para de falar por um tempo, parece ter uns olhos tão tristes”. “Essa cara de pobre-coitado-menino-sofredor é foda de resistir, dá vontade de levar para casa e dar um banho”. Eu já havia perdido a conta de quantas vezes ouvira aquilo das minhas ex-namoradas e ficantes da faculdade. Os dela não eram muito diferentes. Quando ela finalmente apareceu, com sete minutos de atraso, eu pude perceber.
Meu coração parou por uma fração de segundo e depois disparou, como se os sineiros de todas as catedrais que haviam dentro de mim tivessem enlouquecido. Era engraçado como algumas pessoas passavam vidas inteiras sem mudar o jeito de se vestir. Ela ainda parecia com aqueles sábados em que nós nos encontrávamos no curso de inglês: os tênis All-Star, a calça jeans clara, uma camiseta simples - de alcinha, branca e com corações negros estampados - e o cabelo com rigorosamente o mesmo corte. “Talvez por isso que foi tão fácil reconhecê-la, mesmo depois de todo esse tempo”, pensei. Ou talvez eu reconhecesse aquele rosto e aqueles olhos - antes tão vivos e alegres - em qualquer lugar. Eu jamais saberia.
Como qualquer par de amigos que não se vê há milênios, falamos de amenidades no começo. Casei, separei. Sou funcionária pública, ela dizia. O relato do meu amigo, eu descobria agora, não estava perfeitamente certo. Ela não havia se demitido do trabalho, apenas se licenciado por algum tempo. “Fui diagnosticada com depressão”, ela admite, sem muitas delongas ou o constrangimento que tanta gente tem sobre o tema. “Meu casamento estava indo muito mal e eu desabei. Mas agora tá tudo bem”. Não estava, não era necessário ser um especialista para notar aquela tristeza escondida no canto do olhar.
Falei da minha vida para ela também. Contei que a minha ex-namorada que ela conheceu não deu certo e que, naquela época de fim da adolescência e início da vida adulta, eu tinha muita vergonha de falar sobre o que eu passava. Ela praticava gaslighting comigo, tinha crises de ciúme incontroláveis, me fazia sentir um crápula por coisas que eu sequer havia feito. “Você parecia tão feliz com ela”. “Eu finjo bem”, admiti. “E eu tinha vergonha de mostrar para os outros o que passava. Homem dizendo que a mulher é abusiva? Eu não queria que ninguém soubesse”.
Após quase meia hora de amenidades, eu exponho o elefante na sala de estar. Na verdade, quem começa é ela. Quando a adicionei no Facebook, falei que tinha esbarrado com ela na rua e que ficara com vergonha de cumprimentá-la na hora. Mas que queria muito revê-la depois de tanto tempo, tomar um café, falar sobre a vida. “Por que você sumiu?”, ela pergunta, no meio de um daqueles silêncios que duram mais do que deveriam. Eu tremi por dentro, mas não havia como continuar escondendo.
No começo, falei o básico. Que era de família humilde, como ela bem lembrava, e que o parente que pagava meu curso havia descoberto um câncer. Poucos meses depois, eu perdi meu emprego. Tudo isso num intervalo curto, de três ou quatro meses e perto da virada do ano. “Me ligaram do curso e ofereceram um desconto. Eu era pobre, mas sempre fui orgulhoso. Naquela época, era mais ainda. Burrice minha. Se bobear, eles iam acabar me oferecendo uma bolsa”. “Eles iam”, ela responde. “O Francisco - dono do curso - era maluco por você. Você era um ótimo aluno”. Ela dá um gole no mate que pediu. Meu café esfria ao meu lado. “Mas por quê você não falou nada comigo?”, ela continua.
Eu sabia que estava num daqueles momentos em que poderia mudar radicalmente o dia. Porque eu poderia ter mentido. “Eu não falei porque fiquei com vergonha de ter perdido o emprego”. “Eu não falei porque eu estava muito triste: parente próximo com câncer, desempregado, meu relacionamento com uma pessoa abusiva”. Eram mentiras com um pouco de verdade, mas não revelavam o grande problema. Naquele fim de tarde, eu escolhi não mentir. Nem me esconder. E eu já tinha ensaiado essas palavras dezenas de vezes nas últimas semanas.
“Olha, eu não sei se dava para reparar na época ou não. Não sei era muito óbvio, sinceramente. Mas eu era completamente apaixonado por você naquele tempo. Eu passava a semana inteira pensando no dia em que a gente ia se encontrar, trocar uma ideia no curso, caminhar junto até a sua casa. E eu tinha uma vergonha absurda disso. Eu tinha namorada, você tinha namorado e estava para se casar. Então eu achava errado expor aquilo, ser claro. E eu achava que você não gostava de mim. Eu tinha auto-estima muito baixa e esse relacionamento com essa ex-namorada abusiva só piorou as coisas. Eu me sentia um lixo, então achava que você não ia ligar se eu sumisse. Que ninguém ia ligar se eu sumisse. E foi o que eu fiz. Mas, se você quer uma versão curta da resposta, é essa: eu era completamente apaixonado por você naquela época e quis sumir, sair correndo”.
Enquanto eu falava aquilo tudo, a boca dela se abriu em alguns momentos. Às vezes parecia surpresa, às vezes parecia que ela tentaria falar alguma coisa que se perdia no caminho. Eu fazia esforço para olhá-la nos olhos, mas era difícil. Mesmo depois de todos esses anos. Tentei dar a entender com o tom de cada palavra que aquilo era uma coisa do passado, que não me incomodava mais, que agora eu queria apenas revê-la e saber como andava a vida.
O desabafo foi seguido de um silêncio que tornava-se mais pesado a cada segundo. Havia alguma coisa fervendo dentro dela, dava para ver. Foi aí que os olhos dela brilharam mais do deveriam, lacrimejando. Quando vejo aquilo, sinto que o mesmo vai acontecer comigo, mas me seguro. Ela vira o rosto e olha para além da vitrine, onde um ponto de ônibus está lotado com os clientes do supermercado e estudantes recém-saídos de suas escolas, o trânsito lento e infernal. A acústica é tão boa no bar que o caos de fim de tarde do outro lado do vidro parece uma televisão ligada no mudo. Quando ela me olha de volta, vejo que ela não faz qualquer esforço para esconder os olhos marejados.
“E você nunca me contou nada? Nem pensou em me contar?”.
Eu não sei quantos de vocês já ficaram sem notícias de um parente ou de alguém que você ama por muitos anos. Aconteceu comigo uma vez, com uma tia que desapareceu por quase 10 anos no exterior e reapareceu após ser mantida em cárcere privado por um namorado obsessivo. A sensação é estranha. É como descobrir que um livro que você tinha dado como encerrado tinha uma continuação secreta. As memórias de hoje se misturavam com as de 12 anos atrás, da última vez que li esse livro. Ela começou a contar tudo.
Ela, como eu já disse antes, era o meu ideal de felicidade. Casara cedo, tivera filho cedo, empregara-se no serviço público cedo. Era tudo com o que eu sonhava. Eu sempre quis constituir uma família, ter uma vida simples, ter um filho cedo para poder aproveitá-lo ao máximo. Mas a falta de dinheiro e a busca por uma parceira ideal sempre ficaram no caminho, assim como a carreira. O problema é que ela tinha uma vida muito diferente do que eu imaginava, muito mais parecida com a minha à época.
Acho que já deixei claro o quanto eu era apaixonado por ela no passado. Ela não era bonita nem feia, tinha o tipo de rosto que se perde na multidão sem ser notado. Filha de pai negro e mãe branca, era morena e tinha o cabelo liso levemente ondulado, quase até a cintura. Quando éramos adolescentes, ninguém a elegeria a mais bela da turma, mas dificilmente negariam que tinha seu charme. Eu a achava linda.
Mas ela, como eu, era o tipo de pessoa que tinha a auto-estima no fundo do poço. Como eu, também cresceu em um lar bem humilde. Também colecionou desilusões amorosas. E, como todo mundo já sabe, isso te transforma em um alvo perfeito para relacionamentos abusivos. O namorado dela, assim como a minha namorada à época, era muito bonito e manipulador. E ela achava que ele era a única pessoa que gostava dela, o único que lhe daria atenção. E isso fez com que, por anos, ela suportasse tudo que aconteceu entre eles. Traições, brigas, mentiras, chantagens, ameaças de abandono, ciúmes doentios. A história deles dois era tão parecida com a minha história com minha primeira namorada que eu fiquei assustado. Só que, diferente de nós, eles casaram. Eles colocaram um filho no mundo.
Ele só piorou com o nascimento da criança. Ele não era mau com o filho, ela dizia. Era um pai carinhoso, inclusive. Mas o pouco amor e bondade que ele tinha por ela transferiu-se todo para a criança. Vivia para o trabalho, para o filho e para os amigos.
“A gente chegou a ficar sem se falar por meses”.
“Morando na mesma casa e sem se falar?”.
“Sim. Nem bom dia. Nada. Eu me sentia um fantasma”.
Na contramão dele, ela dobrava-se para dentro de si própria. Abandonou a faculdade para cuidar do filho enquanto o marido formou-se com seu apoio fiel. Vivia para o filho e tinha seus problemas conjugais menosprezados pela família. “É coisa de garoto, ele vai melhorar”. “Homem quando acaba de ter filho é sempre assim”. “Vai passar”. Mas não passou, só piorou. As traições recorrentes evoluíram para uma equação desequilibrada de álcool e uma amante fixa no trabalho que ele sequer fazia questão de esconder. Ele anunciou que ia deixá-la, convenceu-a de que era um bom negócio vender o apartamento que eles haviam comprado. Racharam o dinheiro e ele foi viver a vida. Ela voltou a morar com a mãe, agora viúva.
O filho, nitidamente a coisa mais importante daquela mulher, tornou-se a única razão para viver. A pensão que a mãe recebia era baixa, o salário dela também não era bom. A pensão que o marido dava ajudava a manter uma vida extremamente funcional e sem luxos. As roupas eram das lojas mais baratas. Viagens não existiam. O único gasto relativamente alto era com uma escola particular de qualidade para o filho. O resto era sempre no básico.
Contei para ela sobre o meu sonho de casar cedo, de ter uma vida tranquila e estável. Falei que eu admirava muito a vida que ela escolheu no começo, que era a vida que eu queria ter vivido. A grama realmente é mais verde no jardim do vizinho, ao que parece.
“Mas a sua vida parecia tão tranquila, tão perfeita”.
“A minha?”.
“A sua namorada naquela época era uma menina tão bonita, eu lembro dela. Loira, bonita de corpo. Até lembro que ela fazia medicina e ainda era dançarina. Eu achava ela linda, perfeita. E você… você era sempre tão fofinho. Carinhoso e atencioso com todo mundo. Inteligente pra caralho, nem estudava e tinha as notas mais altas em tudo. Todo mundo gostava de você, todo mundo queria ser seu amigo e você nem se esforçava para isso”.
“Eu não lembro disso…”.
“Porque você não se achava bom. Você tinha 16, 17 anos e sentava para conversar de igual para igual sobre cinema e livro com uns professores de 40 e poucos anos. Você parecia fluente conversando com os professores em inglês e espanhol enquanto a gente tentava chegar perto disso. Passou no vestibular de primeira. Você não percebia, mas você era o queridinho de todo mundo. Você não era o garoto malhado bonitão, você era o garoto charmosinho e inteligente que todo mundo gostava. Eu gostava de você também. Gostava mesmo, de verdade. Eu tinha uma paixãozinha por você. Mas eu achava que eu não tinha a menor chance. Eu achava que eu merecia o meu namorado. Que eu era feia, ruim. Que ele estava certo em me falar aquelas coisas”.
“Eu era completamente apaixonado por você”, eu respondo. “Eu pensava em você todo dia”.
Engraçado como as pessoas se veem de maneira tão diferente. Eu me definia de três formas quando a conheci: eu sou gordo, eu sou feio, eu moro num dos bairros mais pobres e violentos da cidade. No dia seguinte, de manhã, eu olharia minhas fotos de 12, 14 anos atrás e me surpreenderia com quem eu via ali. Eu era bonito, só um pouco acima do peso. Com 16 anos, eu já era o barbado da turma antes de barba ser coisa hipster. Na foto do colégio, uma das últimas do terceiro ano, eu parecia tão dono de mim, tão no controle. Eu tinha aquela cara de inteligente e rebelde. Por dentro, eu era completamente diferente. Inseguro, assustado, sem auto-estima alguma e com uma namorada abusiva.
São sete e meia e a noite já começa a cair no horário de verão. Educadamente, uma das atendentes nos indica que a galeria onde o café funciona vai ser fechada em breve. Eu pago a conta e nós ficamos meio perdidos, sem saber o que fazer. Ela ainda tem os olhos inchados, eu também. Os funcionários da loja nos olham de forma surpreendentemente carinhosa, não sei o quanto eles escutaram do desabafo.
Saímos em silêncio do café, ela atendeu a uma ligação da mãe. Minha esposa estava fora do estado e só voltaria dali a alguns dias, então eu estava bem relaxado em relação às horas.
“Não sei se você precisa voltar para a casa por causa do Hugo, mas tem um bar aqui perto que é bem vazio a essa hora. A gente pode sentar pra conversar”, eu digo.
“A gente tem mais coisa para conversar?”. Ela pergunta sorrindo, não vejo nenhum traço de mágoa no seu rosto.
“Claro que tem. Doze anos não se resolvem em duas horas”.
Fomos para um bar pequeno ali perto, um que eu costumava frequentar nos tempos de faculdade. Nos tempos em que eu pensava nela e não me achava capaz de tê-la. Ele pouco havia mudado de 12 anos para cá: a mesma atmosfera que fazia dele aconchegante e levemente depressivo ao mesmo tempo. Era um bar das antigas, com azulejos portugueses azuis e poucos frequentadores. O atendimento era excelente e o preço razoável para a região, mas aquela estética de 40 anos atrás parecia espantar os frequentadores mais jovens. Os poucos que iam lá, no entanto, eram fiéis. Como eu fui no passado.
Nos sentamos no fundo do bar vazio em plena terça-feira e desnudamos nossas vidas um para o outro. “Eu quero saber quem você é”, eu comecei. “A gente falava sobre um monte de coisa, mas eu não sei nada sobre você. Sobre sua família. Sobre sua infância, quem você é. E você não sabe nada sobre mim”. Ela riu. “Você é maluco”. “Não, só quero te conhecer melhor. Compensar por ter sido um babaca há doze anos”.
A conversa foi agridoce. O que mais me assustava era como tínhamos origens semelhantes, desde a família até a criação. Os dois criados no subúrbio do Rio de Janeiro, os dois de famílias humildes que, por conta da pobreza e da necessidade de contar uns com os outros, permaneciam unidas. Primos de terceiro ou quarto grau criados próximos, filhos que casavam e formavam suas famílias nas casas dos pais. Assim como a minha família, a dela investiu tudo que tinha para que ela estudasse em um colégio particular até que eventualmente ela passou para uma escola pública de elite.
Nossas duas famílias tinham essa estranha tradição carioca que mistura catolicismo, umbanda e espiritismo, um sincretismo religioso que eu, como ateu, tenho dificuldade em entender - mesmo tendo crescido nesse meio. Assim como eu, achava-se feia, indesejada na adolescência. Isso fez com que rapidamente trocasse o mundo cor de rosa pelo rock e pelos livros. No meu caso, eu acrescentaria videogames e RPG, mas o resto não mudava muito.
“Na minha escola, tinha muita patricinha, muito playboy. Eu não aguentava eles. E eles sabiam que eu era pobre, então não se misturavam muito comigo”. Contei a minha versão para ela. “Eu gostava de ler, RPG e jogar videogame. Mas eu era muito pobre, fodido mesmo. E isso tudo era coisa de gente com grana na época, né? Então eu acabei ficando amigo dos nerds na época por conta dos gostos comuns. Eu tive sorte, demoraram a perceber que eu era pobre. Eu tenho toda a pinta de gente com grana, essa cara de europeu que engana. Quando perceberam que eu era duro, foi só no segundo grau. Ali eu já era um pouco mais cascudo, tinha bons amigos”. Ela não.
Era tudo tão igual que, em dado momento, eu parei de falar que havia sido igualzinho comigo. Eu esperava ela terminar a parte dela. Falava a minha. E intercalávamos nossas histórias, os dois surpresos com as semelhanças. Provavelmente a grande diferença era a vida dela após ter o filho e abandonar a faculdade. Ela trabalhava em uma repartição pública onde tinha 20 anos a menos do que a segunda funcionária mais nova, se afastou dos amigos. Era estranho conversar com ela. Não usava redes sociais praticamente, apenas para trocar mensagens com parentes distantes e mostrar fotos do filho para eles. Não via séries, não tinha Netflix - só novelas. Não conhecia bandas novas, não era muito de ir ao cinema. Era uma sensação estranha, mas parecia que boa parte da vida dela tinha parado em 2006 ou 2005. Os hábitos dela e poucos hobbies pareciam os de uma pessoa de 50 e poucos anos.
Me doeu imaginar o que poderia ter sido, o que poderíamos ter feito juntos, como poderíamos ter sido bons um para o outro. Pensei na minha esposa, que tem um perfil familiar radicalmente diferente do meu. Ela vem de uma família de classe alta, só com engenheiros e funcionários públicos de elite. O mundo dela era muito diferente do meu, tão diferente que às vezes me assustava. Famílias que não se falavam e que, mesmo endinheiradas, brigavam por herança e cortavam laços de vida por conta de bens que eles não precisavam. Todos católicos ou evangélicos, sem exceção. No máximo um ou outro ateu escondido no armário, como eu.
Essa diferença nos causava estranhezas, pontos de atrito que me surpreendiam. Quando eu elogiava a decoração de uma festa, ela falava do preço e da empresa que a produziu. Ela sentia uma obrigação social em aparecer em eventos familiares ou do círculo social deles, de ser e parecer uma boa esposa. Eu só queria estar onde eu estava afim e quando eu estivesse afim, nunca vi a família como uma obrigação social. Eles discutiam herança entre irmãos com os pais bem vivos, nós nos preocupávamos em fazer companhia à minha mãe quando meu pai morreu. Já era meio subentendido que abriríamos mão de qualquer coisa e deixaríamos tudo para minha mãe, tendo direito ou não.
Havia uma preocupação com patrimônio, normais sociais e aparências que, por muitas vezes, me assustavam. Muitas vezes ela parecia desgastada ou enojada com isso também, mas fazia porque alguém na família tinha que fazer, porque era tradição, porque sempre foi assim. Eu assistia àquilo atônito, impressionado como uma família tão numerosa quanto a minha - com literalmente dezenas de primos e tios até de terceiro grau que moravam em um mesmo bairro - era tão mais simples e unida do que uma dúzia de endinheirados que pareciam brigar por coisas fúteis.
Ela, que estava ali do meu lado, não. Tudo que ela me contava soava como uma cópia fiel da minha família, apenas em escala ligeiramente menor. Pensei em como as coisas seriam simples ao lado dela, despreocupadas, tranqulas. Que eu não passaria a vida sendo julgado pela família da minha companheira como o ex-pobre com pinta de hipster que conseguiu ganhar algum dinheiro, mas não tem muita classe nem é muito cristão, como nos últimos anos.
As palavras que saíram da boca dela depois de uns dois ou três copos de cerveja poderiam muito bem ter sido lidas do meu pensamento. “Você acha que a gente teria sido um bom casal? Que a gente ia se dar bem?”.
“Não tem como saber”, eu respondi. “Mas a gente pode imaginar”. E a gente começou a brincadeira mais dolorosa da noite, imaginando como seria se tivéssemos ficado juntos 12 anos atrás.
“Eu jogava videogame para caralho, você ia se irritar. E eu ia te pentelhar para jogar comigo”, eu comecei.
“Eu gostava de videogame, só não jogava muito. Eu ia te arrastar para show da Avril Lavigne e da Pitty, você não ia gostar”.
Eu sorri. “Eu não tenho nada contra as duas”.
“Britney e Justin Timberlake também”.
“Porra, aí você já tá forçando a barra, amor tem limite”.
Falamos sobre meus primeiros estágios, sobre como eu era maluco e fazia dois estágios e faculdade ao mesmo tempo. Saía de casa às cinco da manhã e voltava às onze da noite. Tudo para conseguir ter uma grana legal, já que na minha área os estágios eram ridiculamente baixos. Ela falava sobre a rotina de estudos para concurso, sobre como foi difícil conciliar a faculdade - que ela eventualmente abandonou por causa do filho - com o recém-conquistado emprego público. Eu falava do meu início de carreira, que foi bem melhor do que eu jamais imaginara, como subi rapidamente. Como eu achava estranho ganhar a grana que eu ganhava - que não era nada extravagante, garanto - mas meus hábitos simples faziam com que eu mal gastasse metade do salário. Ela falava da depressão que tomou conta dela ao perceber que estava num emprego extremamente burocrático e ineficaz, deixando-a incapaz de buscar outras alternativas. Falamos sobre a morte dos nossos pais, que parecem ter conspirado para falecer no mesmo ano.
Em algum momento, a cabeça dela repousou no meu ombro. Eu não soube o que fazer. Pensava apenas na minha esposa, em jamais ter traído ela nem nenhuma outra mulher. Foi aí que eu percebi que ela chorava e, novamente, eu chorei também.
“É engraçado a gente ter saudade de algo que a gente não teve”, eu disse, lembrando de um livro que eu li há muito tempo.
“Acho que a gente seria um casal do caralho”, ela disse, com um inesperado sorriso entre as lágrimas.
“Ou talvez a gente se detestasse e desse tudo errado, a gente nunca vai saber”.
“A gente nunca vai saber”, eu repeti, mentalmente. Como um vírus, a ideia se espalhou dentro de mim rapidamente. “Eu posso fazer uma diferença na vida dessa mulher, na vida do filho dela, na própria família dela. Eu posso ter uma vida mais tranquila ao lado dela, sem essas picuinhas de família rica. Minha esposa pode encontrar um homem muito melhor para ela. Um cara rico, cristão e que tenha a classe e pose que a família dela tanto quer. Isso pode acabar bem para todo mundo”.
Mas não podia. Lá no fundo, eu sabia que não podia. Eu tinha quase uma década de história com minha esposa. Eu tinha um casamento plenamente feliz atrapalhado por alguns poucos problemas familiares e inseguranças minhas. Tínhamos uma química ótima, gostos parecidos para livros e filmes, nos dávamos bem na cama. Valia a pena jogar aquele relacionamento tão bom e funcional - algo que me parece cada vez mais raro hoje em dia - por uma aventura fugaz? Um remorso do passado? Em um relacionamento com uma estranha que eu estava voltando a conhecer havia algumas horas?
“Você nem a conhece”, dizia a cabeça. “Ela é igual a você”, dizia o coração.
No fim das contas, eu segui a cabeça. Conversamos até quase dez da noite. Pegamos um Uber e fiz questão de deixá-la em casa, um prédio pequeno em um bairro abandonado do subúrbio. Quando o carro parou, ela se demorou um pouco do meu lado e, por impulso, eu segurei a mão dela. Ela me encarou assustada e ansiosa. Eu pensei em beijá-la, em ligar o foda-se e jogar tudo para o alto ali mesmo. Mas eu só desci do carro com ela na rua deserta e caminhamos juntos para dentro do prédio, sem saber exatamente o que a gente estava fazendo. Pedi para o motorista me esperar e disse que depois acertava uma compensação com ele.
“Eu vi o seu Facebook. Você é casado com uma mulher linda. E inteligente. Você não vai me trocar por ela. Nem eu quero acabar com o seu casamento”.
“Você acha ela linda e inteligente?”.
“Você sabe que ela é”.
E então eu desabafei. Falei que passei as últimas semanas reavaliando meu casamento e meu futuro, encarando a foto dela no Facebook de tempos em tempos. Que meu coração quase parou quando encontrei-a pela primeira vez. Que eu gostava de tudo nela. Da dedicação como mãe, da simplicidade, dessa aura de pessoa correta que ela exalava sem fazer esforço, desse espírito suburbano e familiar que ela tinha. Dos olhos dela, tão animados no passado e tão tristes agora. De como eu estava me segurando para não beijá-la naquele dia todo.
“Você é linda. Eu sei que você se acha feia, eu sei que você acha que ninguém vai se interessar por você. Mas você é uma mulher foda, e nem preciso subir para saber que você é uma mãe foda, uma filha foda. Não deixa a vida passar. Eu tenho certeza que tem mais gente que, igual a mim, já percebeu isso em você e não sabe como falar. Não faz de novo a mesma coisa que a gente fez lá atrás. Eu só queria que você soubesse disso porque eu acho que você merece ser muito mais feliz do que você é agora. E você não tem ideia de como você me deixou maluco esses dias todos. Eu sou bem casado com uma mulher linda sim, mas só de encontrar você eu tive vontade de jogar tudo para o alto”.
Foi um monólogo mais longo do que eu esperava. De novo, ela chorou. Dessa vez, eu contive as lágrimas. O abraço que partiu dela foi um dos melhores e mais tristes que já ganhei na minha vida. Havia ali uma história de amor não vivida, saudades de uma história que jamais colocamos no papel, de um mundo que nunca existiu. Ela me apertou forte e eu sentia minhas mãos tremerem.
Encostamos as laterais do rosto um do outro, aquele prenúncio de um beijo adiado. E que tive que usar todo auto-controle do mundo para manter adiado. Me afastei, olhei nos olhos dela, sorri e fui embora. Quando o Uber saiu, ela ainda estava parada na portaria e minhas mãos ainda tremiam.
Eu não sei se essa história acaba aqui ou não. Mas eu tenho quase certeza que sim. Algum dia eu vou contar tudo isso para a minha esposa, mas vou esperar esse sentimento morrer primeiro. Eu conheço ela o suficiente para saber que, em um bom momento, ela não ficaria triste com essa história. Eu até consigo imaginar a reação dela, repetindo a frase que ela me diz desde que a gente casou. “Eu te conheço. Você não vai me trair com alguma gostosona oferecida por aí. Se alguma coisa acontecer, você vai se apaixonar por alguém. Eu te conheço, você é romântico. Mas a gente se resolve”.
Quando cheguei na minha casa vazia, sentei e escrevi quase tudo isso de uma tacada só. Sem revisão, sem pensar muito. Eu acho que eu poderia escrever dezenas de páginas sobre os detalhes da conversa, mas isso aqui já está longo demais. Antes de dormir, eu vejo que tenho uma mensagem no Whatsapp.
“Foi muito bom encontrar você”.
Toda aquela tentação de falar algo mais grita dentro de mim, se debate.
“Foi bom te ver também :) “.
Por via das dúvidas, coloquei o celular em modo avião e suspirei. “Eu tô feliz ou triste?”, me perguntei. Parece uma pergunta simples e relativamente objetiva, mas eu não soube responder. Eu custei a dormir, com medo de sonhar com ela. Quando eu acordo no dia seguinte e me preparo para ir ao trabalho, a impressão que eu tenho é de que tudo foi um sonho. Vê-la, reencontrá-la, chorar, abraçá-la.
E, como quando a gente acorda de um sonho triste, eu volto a viver minha vida normal para esquecer. Hoje tem reunião com cliente. À noite, preciso pegar minha esposa no aeroporto.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2014.02.04 17:06 happysformeandu 140 days report (Portuguese)

Olá pessoal, sei que todos estão bem e só por estarmos juntos nessa, significa que somos fortes, determinados e inteligentes, talvez acima de média. Não vou chegar ao extremo de dizer que somos vítimas de algum sistema ou de alguma falta (penalidade), mas o fato é que, se caímos na pornografia, então estávamos à deriva. Mas não vamos nos aprofundar... Fato é que estou aqui não apenas para dar meu depoimento, mas também para ajudar um ou outro, assim como me ajudaram tanto. Desde já, perdão pelo meu depoimento não ser em inglês: tenho domínio para ler, mas não para escrever. Como muitos outros, comecei a ver pornografia muito cedo, que eu me lembre, desde quando ganhei um computador do meu tio, em 2006. Eram fotos de modelos da Rússia, todas abaixo dos 25 anos de idade, depois, passei a ver vídeos destas mesmas modelos (Sempre perdendo muitas horas e pesquisando muito no Google). Meses depois, meu HD estava repleto de fotos e vídeos. Foi aí então que em 2007 eu comecei a sair com alguém, e notei uma discrepância enorme entre minha performance dentro do meu quarto, trancado e com todas aquelas imagens, variedade e corpos e a minha performance dentro do meu quarto trancado com aquele corpo real, de carne e osso (cheiroso, quente e bonito) que via na frente. Na frente do computador minha ereção era impressionante e minha calma também, já quando eu tinha que “dar conta do recado” e o que eu vislumbrava não eram apenas imagens, a ansiedade era enorme e apesar da beleza do corpo que se entregava para mim, minha insensibilidade àquilo também parecia ser enorme. Lembro-me de ficar me perguntado o que estava errado, quando voltava de carro da casa da minha namorada. O tipo de problema que ninguém diz que tem por que não percebe que tem... Impotência sexual aos 19 anos é muito complicado! Foi então que, numa faísca, minha mente percebeu que todo aquele material pornográfico atrapalhava minha vida e me deixava muito esquivo, isolado. Eu era apegado, extremamente apegado a um HD com fotos e vídeos de modelos da Rússia. Se alguém aí leu isso, por favor, não me fale o quanto isso é deprimente. Apaguei o material todo e depois me arrependi amargamente. Foi aí que comecei a surfar na internet atrás de algo que me desse a mesma emoção, e infelizmente, achei algo que me dava mais emoção ainda: Pornô Hardcore. Quanto mais eu encarava aquela abismo, mais aquele abismo me puxava para dentro. Chegou uma hora que eu me vi sem namorada, sem vontade de trabalhar, fumando, bebendo e viciado em pornografia. Várias vezes eu me relacionei com garotas bonitas (que me arrependo muito de ter deixado para trás), mas além do meu desempenho ser péssimo e ter de finalizar tudo sozinho, eu não conseguia criar laços. Quantas pessoas eu lembro de terem chorado por mim, e eu nem ligava... Em 2010 eu já era uma das piores pessoas que eu sabia da existência. Eu não sabia quanto a falta carinho, afeto, contato físico, cumplicidade e amizade faziam falta até eu me ver isolado do mundo, indo trabalhar apenas pelo salário e gastando todo esse salário para comprar coisas inúteis e supérfluas, bebendo e frequentemente dando trabalho aos que vivem à minha volta (pois eu bebia até não poder mais e cair de tão alcoolizado), comprando maços de cigarro, desprezando gente que não merecia e completamente sedado para a vida. Perguntarão-me: mas tudo isso aconteceu por causa da pornografia? E eu respondo: Não, a pedra no sapato não era a pornografia, mas o que a pornografia causava: Disfunção sexual. É duro e particularmente assustador ter 22 anos (naquele ponto) e não ter condições de fazer sexo. E o que mais me intrigava: Por que, mesmo não querendo, eu continuo vendo essa maldita pornografia, e por qual razão eu fico tão excitado com esse lixo? Foi aí que , aos 24, conheci uma mulher de 51 anos, que apesar de todas as dificuldades em administrar a opinião alheia sobre um relacionamento onde um dos envolvidos é 27 anos mais velho, me dava todo o afeto que eu precisava (pois em 2012 fui morar sozinho) e não me cobrava muito pela minha performance.O lado ruim da história: Ela não me cobrava por performances, mas eu sim...Muitas vezes fiz sexo com ela 4 vezes seguidas, uma atrás da outra, mas se me lembro bem, as duas primeiras eram pela sensação e as duas últimas era pelas fantasias, todas decorrentes das imagens pornográficas que já vi. Já cheguei a fazer sexo apenas com as fantasias na cabeça, sem nem ao menos me lembrar com quem eu estava. Assumo que fazer sexo para testar a própria performance e para superar os limites é algo bem infantil e típico de um cara muito inseguro. Calmamente então tive a chance de colocar a cabeça no lugar e parar com todos aqueles comportamentos destrutivos, menos um... Adivinhem! Sim, eu ainda via pornografia. Ainda fazia sexo fantasiando aquelas imagens. Foi quando li numa notícia em um site qualquer que um estudo italiano relacionava o consumo de pornografia com impotência sexual por ansiedade. Um clique aqui, outro clique ali e cheguei ao YBOP. Agora percebo que não se trata de superar os limites, mas de respeitá-los. Meu “reboot” vai demorar mais tempo pois eu ainda faço sexo com frequência e uma vez ou outra eu acabo fantasiando. Isso é péssimo e, por alguma fraqueza, fazer sexo apenas uma vez me dá a impressão de que preciso mais ou de que minha parceira precisa mais, então acabo tendo que fantasiar um pouco. Mas quanto mais longe da pornografia eu fico, menos necessidade de fantasiar eu tenho e mais eu me respeito. Fiz sexo e não quero fazer outra vez? Não faço, pois é melhor não fazer, do que fazer fantasiando. Me masturbo cada vez menos também. Seria bom se eu entrasse por três meses em “hard mode”, e evitasse tudo isso. Não sei se milagres existem e nem sei se isso chegou perto de ser, mas vocês deram a maior ajuda que eu precisava na vida. Estou livre de pornografia a exatamente 141 dias (cometi duas faltas neste período: nos dias 122 e 123 acabei acessando pornografia novamente, e pude perceber o quanto não só as imagens e a grande capacidade de estímulo que ela tem podem ser prejudiciais quando se deita na cama com alguém, mas também como a própria ansiedade que o contexto por ter cometido um relapso dispara) e estou cada vez melhor. Não foram dias fáceis, posso dizer que foi o período mais sombrio nos meus quase 26 anos de idade, seja pela ansiedade, seja pelo sentimento de baixeza, seja pela expectativa exagerada que tudo isso gerou, mas cheguei ao fundo do poço pelos meus próprios padrões, e minha definição de fundo do poço é a seguinte: Beber, fumar, morar sozinho e ver pornografia...só me faltava um vídeo-game para me trancar em casa e nunca mais sair. Toda essa falta de autocontrole ainda fica evidenciada no apego que tenho à minha contagem de dias, pois quero chegar num ponto onde eu esteja realmente controle, que não precise mais riscar os dias no calendário, nem me policiar tanto para não ver pornografia. É triste saber que, talvez sem esse calendário, minha motivação caia e eu corra o risco de entrar na montanha russa novamente. Mas eu chego lá. Morar sozinho não é fácil, pelo menos para mim, e como a pornografia é um vício como qualquer outro (tão tóxico e destrutivo quanto pó, maconha atc... só que todos acham normal), tenho orgulho por estar “limpo” e não ter precisado recorrer a nenhum profissional. Recorri a vocês! Quase perdi meu emprego e muitas vezes perdi minha sanidade, tudo por causa de uma seção de pornografia pesada por dia, de duas a três horas em frente ao computador desperdiçando minha vida, meu tempo e o mundo ao meu redor, por seis anos. Nos dia 124, tive que apelar e instalei o K9 no meu computador...A senha é o número de série do celular de um desconhecido e não tenho mais acesso ao email que forneci para redefini-la, mas eu sei o quanto isso denota minha falta de controle. Poderia ver pornografia a qualquer momento, em qualquer outro computador, mas sei que é um passo para trás, um grande passo para o retrocesso. Evitar a pornografia é um dos meus maiores desejos e tem se tornado minha maior graça. A libido de uma pessoa e suas pulsões sexuais são a maior parte dela (não há como negar), e quando algo manipula, deturpa, anestesia e destrói a libido de uma pessoa, então ela pode se considerar destruída. Muitos só assistem pornografia por pensarem que toda aquela fúria sexual é o néctar da vida e a essência da libido, mas quando se veem dependentes disso, não percebem que já virou um vício. Alguns não vão perceber nunca, outros perceberão e passarão por tudo isso que nós estamos passando. Colocar as coisas nos eixos é uma batalha e demora até percebermos o tamanho do dano. Muitos dirão que a pornografia não atrapalha suas vidas em nada, mas talvez nunca tentaram abandonar isso para ver o quão deletério é esse vício. Um abraço aqui do Brasil a todos, obrigado pela ajuda e espero muito poder ter ajudado.
submitted by happysformeandu to NoFap [link] [comments]


David Lover_Preciso de uma namorada (Áudio Oficial) Eu Quero Preciso Necessito de uma Namorada... TRAÍ MINHA NAMORADA E DEU MUITO RUIM! Família Rando - TROLLAGEM TRAIÇÃO NAMORADA MORAR JUNTO COM BOY: LADO BOM E LADO RUIM EU PRECISO DE UMA NAMORADA!! - YouTube PRECISO DE UMA NAMORADA Eu preciso de você (Vídeo Clipe Romântico) 💓💓 - YouTube Sério, eu preciso de uma namorada assim ESSA MENINA NAMORAVA UM YOUTUBE DE FREE FIRE ??? PRECISO DE UMA NOVA NAMORADA !! - YOUTUBERS LIFE ‹ Ine ›

Preciso de uma namorada. O que eu faço? Yahoo Respostas

  1. David Lover_Preciso de uma namorada (Áudio Oficial)
  2. Eu Quero Preciso Necessito de uma Namorada...
  3. TRAÍ MINHA NAMORADA E DEU MUITO RUIM! Família Rando - TROLLAGEM TRAIÇÃO NAMORADA
  4. MORAR JUNTO COM BOY: LADO BOM E LADO RUIM
  5. EU PRECISO DE UMA NAMORADA!! - YouTube
  6. PRECISO DE UMA NAMORADA
  7. Eu preciso de você (Vídeo Clipe Romântico) 💓💓 - YouTube
  8. Sério, eu preciso de uma namorada assim
  9. ESSA MENINA NAMORAVA UM YOUTUBE DE FREE FIRE ???
  10. PRECISO DE UMA NOVA NAMORADA !! - YOUTUBERS LIFE ‹ Ine ›

A PIADA FOI TÃO RUIM QUE ELA DELETO O FREE ... Piuzinho 5,831,616 views. 10:16. ESSE TENTE NAO RI FOI LONGE DE MAIS l Ft. sheviii2k - Duration: 10:48 ... CONHECI UMA MENINA LINDA JOGANDO FREE ... Quem Não Tem Cão Casa Com Gato. Não Tem Tu Vai Tu Mesmo..... Tira as Mãos Do Meu Ursinho kkkkk. Ficha técnica Música: Preciso de uma namorada Artista: David Lover Prod: Maestro Jacky Mastering: Don Gad Beats Gravadora: Olala Nation Letra Ooooooh Nã nã nã nã nã Eeeiii ieeeê Éi David ... This video is unavailable. Watch Queue Queue. Watch Queue Trollei minha namorada com uma Traição e me dei muito mal! Eu fui me vingar da trollagem que ela fez me entupindo de VIAGRA! Aquele vídeo deu tão ruim que o ... Letra: Eu tenho a vida toda pra te amar Tenho meus carinhos pra te dar Sentir bater mais forte o coração Quando eu tocar seu corpo com as mãos No brilho dos ... vídeo aleatório. Hoje eu preciso de uma nova namorada será que vou terminar com a Alpha ? Mentirinha preciso de uma namorada no youtubers life ! _____ Esse video foi gravado em um PC CHIPART: https://www.chipart ... Sério, eu preciso de uma namorada assim! Sabe que tudo tem seu lado bom e ruim na vida, a mesma coisa vale para juntar trapos com o namorado. É o famoso 'de repente pimba'. ----- Inscreva-se no ...